Cristas acusa Governo de andar ao sabor da contestação

  • Lusa
  • 18 Novembro 2017

A presidente do CDS refere que o Governo "tem falhado na capacidade de dialogar com os vários setores". Governo riposta afirmando que Cristas não compreende o que significa "ouvir as pessoas".

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, afirmou este sábado, em Chaves, que o Governo tem “sido errático” e que anda ao “sabor das imposições e da contestação” que se faz notar, com no caso dos professores.

“O Governo tem sido errático, tem ido ao sabor daquilo que são as imposições e a contestação que se faz notar. Na nossa perspetiva, não trabalhou de forma consistente para ir ao encontro daquilo que são as expetativas que tem vindo a criar nos vários setores da função pública e legítimas expetativas, como no caso dos professores“, afirmou a líder do CDS. À margem de uma visita à feira das varandas, que se realiza duas vezes por mês, em Chaves, Assunção Cristas foi questionada sobre a declaração de compromisso alcançada entre o Governo e os sindicatos dos professores, depois de 10 horas de reunião.

“É um princípio de acordo, na verdade não é nenhum compromisso para o Orçamento do Estado. Nós entendemos que é essencial que de facto se sentem, isso é positivo, que conversem, mas até agora ainda saiu muito pouco para além dessa base de que vão conversar e sentar”, salientou.

“Tem havido um discurso de que tudo está bem, que acabou a austeridade e que agora há dinheiro para tudo mas, na verdade, isso não é consistente com as várias falhas que nós vemos nos serviços públicos e também, depois, com a dificuldade que o Governo tem em sentar-se à mesa com os vários setores e em, de forma consistente e sustentável, dizer o que é possível fazer e em que momento”, sustentou. Fica, na sua opinião, “obviamente desvirtuada a ideia de que de repente acabou a austeridade e que de repente tudo é possível”.

Essa ideia que António Costa tentou vender a todos os portugueses durante muito tempo não é real e percebe-se isso quando, perante questões concretas como agora o caso dos professores, ou como foi o caso dos vários profissionais da área da saúde ou mesmo da área da segurança, se percebe que afinal não é possível dar tudo a todos ao mesmo tempo”.

E continuou: “mas obviamente que as pessoas têm legítimas expetativas, criadas e alimentadas pelo Governo, mesmo quando em muitos casos não são suscetíveis de serem cumpridas, certamente não num curto prazo”. Assunção Cristas espera que o Governo, de “forma realista e consistente”, diga às pessoas “o que é possível, em que momento e que já agora assuma que não é verdade que a austeridade tenha acabado, como tem vindo a apregoar em tantos setores”.

Governo acusa líder do CDS-PP de não saber o que significa “ouvir as pessoas”

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares acusou este sábado a líder do CDS-PP de não compreender o que significa “ouvir as pessoas”, explicando que negociar com os professores sobre o descongelamento das carreiras foi uma questão de “respeito”.

A Drª Assunção Cristas tem uma atitude e uma relação com os sindicatos que nós não temos. Fez parte de um Governo que desprezou os sindicatos e os trabalhadores e não compreende o que significa ouvir as pessoas e tentar chegar a acordo com elas e foi isso que nós fizemos”, afirmou Pedro Nuno Santos, em Braga, quando confrontado com as declarações de Assunção Cristas, que acusou o Governo de ser “errático” e de andar ao “sabor das imposições e da contestação”.

O governante, que está na cidade bracarense para apresentar aos militantes do PS o Orçamento do Estado para 2018, considerou ainda que aquele documento é um “orçamento de justiça” e que “melhorou” com o debate na especialidade.

“Não é agir de forma errática, é respeitar as pessoas, os trabalhadores do Estado, saber ouvi-los e tentar encontrar soluções. A direita em Portugal contínua sem saber como é que um Estado e um Governo se deve relacionar com as pessoas e os trabalhadores e só assim se compreende esse tipo de declarações”, explanou Pedro Nuno Santos sobre as declarações da líder do CDS-PP.

CDS pede acesso do parlamento a parte não divulgada do relatório sobre incêndios

O CDS-PP vai pedir que seja entregue ao parlamento o capítulo do relatório sobre as falhas de socorro nos incêndios de junho, em Pedrógão Grande, mesmo que seja necessário apagar nomes de mortos e vítimas.

“Tendo em atenção a gravidade do que se passou, nada pode ficar por esclarecer, em dúvida ou sob suspeita”, disse à agência Lusa o líder parlamentar do CDS, Nuno Magalhães, afirmando que a Assembleia da República tem formas de analisar, com reserva, essa parte do relatório não divulgado pelo Governo para “proteger dados pessoais” das vítimas.

O Ministério da Administração Interna não divulgou o capítulo do relatório pedido à equipa de Xavier Viegas com os pormenores das mortes de cada uma das 64 vítimas mortais e pediu um parecer à Comissão Nacional de Proteção de Dados Pessoais (CNPDP).

Agora, o CDS espera que a comissão tome uma decisão rapidamente e, se tal não acontecer, pede ao Governo que entregue ao parlamento o documento em que pode não estar inscrito o nome das pessoas envolvidas, as vítimas, ou pedir “reserva de confidencialidade” ou que seja discutido “à porta fechada” na comissão de Assuntos Constitucionais, explicou Nuno Magalhães.

(Artigo atualizado às 17h48)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Cristas acusa Governo de andar ao sabor da contestação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião