Salário mínimo: BE exige 580 euros; Governo aponta esse valor

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 20 Novembro 2017

Bloco recorda que há um acordo firmado com o PS: o salário mínimo deve avançar para 580 euros em 2018. E o Governo também já disse que deverá ser esse o ponto de partida da discussão com parceiros.

A coordenadora do Bloco de Esquerda defendeu esta segunda-feira que o salário mínimo tem mesmo de aumentar para 580 euros, tal como ficou acordado com o PS. O ministro do Trabalho também já disse que deverá ser esse o valor a apresentar como ponto de partida na concertação social.

Aos microfones da TSF, Vieira da Silva defendeu que o Executivo deve manter o valor inscrito no seu programa: 580 euros em 2018.

“Apesar de o Governo ainda não ter apresentado nenhuma proposta para este ano, não vejo nenhuma razão significativa para alterar a trajetória que seguimos até agora”, defendeu Vieira da Silva no Fórum TSF. “O mais provável é mesmo que seja esse o ponto de partida para o debate na concertação social”, acrescentou ainda.

Também Catarina Martins, coordenadora do BE, afirmou, em declarações transmitidas pela RTP3, que o salário mínimo “agora terá de ir para 580” euros. O Bloco defende que se atinja os 600 euros o mais cedo possível e o valor está previsto para o final da legislatura. Para garantir que se chega aí, foi feito um acordo “em que, no mínimo, o Partido Socialista se comprometeu” a aumentar anualmente, em 5%, o salário mínimo. Foi isso que a CGTP acordou também há uns anos, quando foi negociada a subida faseada do salário mínimo para 500 euros, adiantou ainda Catarina Martins. CGTP e PCP defendem o aumento para 600 euros já em 2018.

A coordenadora do Bloco referiu-se à Intersindical mas também deixou uma mensagem ao patronato, que, em entrevista ao Jornal de Negócios e Antena1, já avisou que 600 euros em 2018 está fora de questão. Ao ECO, Saraiva já tinha avançado que não iria “comprar” a “guerra” do salário mínimo em concertação social.

Catarina Martins sublinha que a economia está a recuperar desde que se iniciou a trajetória de recuperação de rendimentos. “É bom nós não deixarmos que os patrões, por visões curtas sobre a economia, por não terem aprendido nada com o que se passou” durante os tempos da troika, “sejam obstáculo à recuperação dos direitos e dos salários no setor privado”, afirmou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Salário mínimo: BE exige 580 euros; Governo aponta esse valor

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião