T-Roc precisa de mais gás: vai contratar mais 400 pessoas

  • ECO
  • 23 Novembro 2017

Inicialmente, previa-se a contratação de 1.500 operários. A meio do ano falava-se em 2.000, mas o número continua a crescer e já vai nos 2.500.

O novo horário da Autoeuropa é decidido esta quinta-feira. Caso seja aprovado, vão ser necessárias 400 novas contratações, que se somam aos 2.120 funcionários que foram admitidos pela fábrica desde o início do ano. O aumento de encomendas do desportivo é o que justifica as novas exigências de produção.

O T-Roc não para de motivar contratações. “Se houver acordo, haverá uma aceleração das contratações para o próximo ano. Esta nova fase de recrutamento não estava prevista inicialmente”, explica fonte da Autoeuropa ao Diário de Notícias. Procuram-se sobretudo candidatos para as linhas de montagem, mas também para outras áreas de trabalho. Para além da fábrica, também os fornecedores terão de reforçar os funcionários caso seja aprovado o novo acordo.

Com as novas contratações, a fábrica contará um total de 5.800 trabalhadores. No final do ano passado, a Autoeuropa tinha 3.295 funcionários. A fábrica de Palmela está a bater o recorde de produção diária: pela primeira vez em 20 anos, são produzidos 860 veículos diariamente. Em 2018, prevê-se que sejam produzidos 240 mil automóveis na Autoeuropa.

O horário em questão prevê rotatividade aos fins de semana e é apresentado esta quinta-feira em plenário. A garantia de dois dias de folga consecutivos para os operários é a principal novidade que foi posta na mesa. O acordo define ainda um limite de três sábados de trabalho por mês. A data de começo do novo regime também foi adiada: deverá começar a 20 de agosto, depois das férias, em vez de fevereiro.

Contudo, esta nova hipótese exige aos funcionários que trabalhem cinco dias por semana, sendo que os sábados e domingos serão pagos como um dia normal — ao contrário do pagamento extraordinário que era inicialmente exigido pelos trabalhadores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

T-Roc precisa de mais gás: vai contratar mais 400 pessoas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião