Governo quer fechar aumento do salário mínimo a 5 de dezembro

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 24 Novembro 2017

Na primeira reunião de concertação social não foram discutidos valores. Ministro aguarda contributos dos parceiros, ainda que o programa do Governo aponte para 580 euros.

O programa do Governo aponta para um aumento do salário mínimo para 580 euros em 2018 mas o ministro do Trabalho não levou esta sexta-feira qualquer valor à mesa da concertação social. Ainda assim, Vieira da Silva espera poder encerrar o assunto na próxima reunião — a segunda para debater o assunto — que decorre no dia 5 de dezembro.

“Seria muto interessante que estabilizássemos já e que encerrássemos este dossier na próxima reunião”, disse o ministro Vieira da Silva aos jornalistas no final da reunião de concertação social, acrescentando: “é minha ambição”.

Mas hoje, na primeira reunião para debater o assunto, o Governo não levou qualquer proposta em concreto, revelaram os parceiros sociais. Vieira da Silva salientou que está a cumprir a lei, que diz que o salário mínimo deve ser fixado depois de ouvidas as confederações sindicais e patronais. Mas “obviamente fiz referência àquilo que é o compromisso do Governo”, salientou. Aguarda agora os contributos dos parceiros.

O programa do Governo aponta para um aumento dos atuais 557 euros para 580 em 2018. E até aqui, os valores indicados têm sido cumpridos. Ainda assim, Vieira da Silva frisa que o importante é o objetivo de 600 euros no final da legislatura e que o programa do Governo é “uma indicação que aliás tinha uma dimensão mais obrigatória até ao ano passado”.

Sobre valores em concreto para 2018, Vieira da Silva não quis falar. Mas admite que é sempre possível “ir além dos valores”. E ficar aquém dos 580 euros? “Já falámos em vários anos sobre esta questão, vamos esperar”, disse. O ministro também fez questão de sublinhar que, há uns anos atrás, o nível de discussão sobre o salário mínimo “era muito mais crispado”.

Vieira da Silva não considera necessário um novo acordo

O ministro do Trabalho não considera necessário um novo acordo, apontando antes para uma atualização do compromisso já assinado antes. “Não creio que seja necessário um novo acordo, o acordo que nós trabalhámos foi um acordo para ter uma vigência plurianual, nada está fechado desse ponto de vista mas é possível que haja uma atualização — terá que haver no aspeto do salário mínimo”, disse.

A CGTP quer um aumento do salário mínimo para 600 euros e a UGT reivindica 585. Já a Confederação do Comércio e dos Serviços de Portugal (CCP) defende um aumento com base na produtividade, inflação e economia.

Os parceiros patronais têm vindo a reivindicar algumas contrapartidas ao aumento do salário mínimo, com a CIP – Confederação Empresarial de Portugal a apontar por exemplo para os custos de contexto e apoios à formação profissional. E Vieira da Silva afirma que o Orçamento do Estado já tem normas “para tornar mais eficaz, por exemplo, a área da formação profissional”. Já quanto à questão da energia, há uma alteração política para inverter os “custos excessivos”, avança.

A CCP notou, por seu turno, que o acordo celebrado este ano não tem sido cumprido, falando em “fracasso total”. O ministro do Trabalho admite que há “particularmente” uma medida que teve “algumas dificuldades”, referindo-se à possibilidade de as empresas de serviços, “principalmente empresas de limpeza”, poderem pedir a atualização dos preços acordados com o Estado antes da atualização do salário mínimo para 557 euros. O “processo não correu tão bem quanto desejaríamos” mas “estamos ainda a trabalhar”, avançou o ministro. Mas no global, Vieira da Silva acredita que o acordo foi cumprido.

Governo quer fundo mais “amigo das empresas”

Outra matéria que o acordo já assinado incluía dizia respeito ao Fundo de Compensação do Trabalho (FCT) e Fundo de Garantia de Compensação do Trabalho (FGCT), destinados a pagar parte das compensações por despedimento a trabalhadores contratados a partir de outubro de 2013. Estes fundos exigem às empresas um desconto global de 1% sobre a retribuição base destas pessoas.

Hoje, o Governo também não apresentou qualquer alteração a este regime mas vai pensar em “soluções que tornem esse fundo mais amigo das empresas e não tão pesado” do ponto de vista administrativo. Vieira da Silva diz que não se falou de redução de descontos e que o objetivo é perceber se o fundo “está a cumprir bem o seu papel”. Este mecanismo já acumulou em termos líquidos mais de 150 milhões de euros, disse ainda. António Saraiva, presidente da CIP, já disse que a utilização do fundo tem sido reduzida e por isso já defendeu uma suspensão das contribuições ou a devolução às empresas de determinado montante. Mas hoje não fez propostas.

A CGTP defendeu que parte do dinheiro destes fundos possa ser canalizado para o Fundo de Garantia Salarial, que paga salários em atraso de empresas insolventes, mas Vieira da Silva diz que não há base legal para isso.

A CIP avisa que mexidas no fundo não podem ser consideradas contrapartidas ao aumento do salário mínimo e Vieira da Silva também afastou essa hipótese, garantindo que “os temas são diferentes”.

Ministro concorda com fim dos duodécimos no privado

O ministro do Trabalho também defendeu o fim dos duodécimos no setor privado, explicando que se trata de “repor a normalidade”.

A medida foi aprovada no Parlamento esta quinta-feira, com os votos favoráveis de todas as bancadas, à exceção do PSD, que votou contra. A regra agora eliminada permitia que os trabalhadores do setor privado pudessem, se assim quisessem, receber metade do subsídio de férias e de natal ao longo de 12 meses, sendo a outra metade paga nos períodos habituais previstos na lei.

O fim deste regime excecional é bem visto pela CGTP mas levanta críticas à CIP. Hoje, Vieira da Silva disse concordar com o regresso ao regime normal de pagamento. “A lei é uma lei clara que fixa que todos os trabalhadores têm direito a receber um subsídio de natal e um subsídio de férias, excecionalmente durante um período isso não aconteceu assim”, adiantou o ministro. Aquilo que o Parlamento decidiu, “e a meu ver, bem, foi repor a normalidade”, adiantou ainda.

A representar a UGT, Sérgio Monte entende que os subsídios devem ser pagos consoante os contratos coletivos de trabalho “mas deveria haver a opção do trabalhador de poder optar” pelos duodécimos.

(notícia atualizada às 20:47, com declarações sobre o fim do regime de duodécimos no privado)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Governo quer fechar aumento do salário mínimo a 5 de dezembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião