Presidente alemão convocou Merkel e Schulz para abordar formação de um Governo

  • Lusa e ECO
  • 24 Novembro 2017

O presidente da Alemanha convocou a chanceler Angela Merkel e o líder social-democrata, Martin Schulz, para discutir a formação de um novo Governo.

O presidente da Alemanha convocou a chanceler e líder conservadora, Angela Merkel, o seu aliado bávaro, Horst Seehofer, e o líder social-democrata, Martin Schulz, para uma reunião na próxima semana para discutir a formação de um novo Governo.

Em comunicado, o gabinete do presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, precisa que pediu aos líderes da União Democrata-Cristã (CDU), da União Social-Cristã (CSU) e do Partido Social-Democrata (SPD) que se reúnam para discutir a possibilidade de voltar a formar uma “grande coligação”, como a que governou o país nos últimos quatro anos. Fontes da presidência citadas pela imprensa adiantaram que a reunião pode realizar-se na segunda ou na terça-feira.

Martin Schulz tem recusado repetidamente a possibilidade de repetir a coligação com os conservadores, mas a pressão nesse sentido acentuou-se depois do fracasso, no domingo, das conversações entre a CDU/CSU, o Partido Liberal (FDP) e os Verdes.

Steinmeier, também social-democrata, recebeu Schulz na quinta-feira, último dos encontros que manteve ao longo da semana com os líderes dos partidos em condições de fechar um acordo de coligação. Após o encontro com o presidente, Schulz reuniu-se com a direção do SPD, reunião que se prolongou por quase oito horas e após a qual o secretário-geral do partido, Hubertus Heil, manifestou a disposição para dialogar e contribuir para resolver a crise política.

“O SPD não se furta a conversações”, disse Heil.

Merkel falha negociações

Desde as eleições de setembro passado, a CDU (União Democrata Cristã) de Angela Merkel, a União Social-Cristã (CSU), o FDP e Os Verdes, negociavam para alcançar um acordo prévio que lhes permitisse iniciar negociações formais de coligação.

Após 12 horas de negociações, CDU e Liberais não foram capazes de chegar a acordo e o euro bateu um mínimo de dois meses face ao iene, assim que o anúncio foi conhecido. A chanceler lamentou. “Obviamente, com cedências, isto faz parte de uma coligação onde os parceiros têm de se aproximar e reduzir as distâncias que os separam. Como tal, com todo o respeito pelo FDP, que não tenhamos chegado a uma solução comum”, disse Angela Merkel no final da ronda negocial.

Os pontos críticos das negociações têm que ver com a política de refugiados, a luta contra as alterações climáticas e os desejos de reduções fiscais por parte do FDP.

Na história da República Federal da Alemanha, isto é desde 1949, nunca houve um Governo de minoria a nível federal, e formaram-se sempre coligações com acordos prévios que fazem as vezes de programa comum de Governo. Agora, perante colapso das negociações há três opções, duas delas sem precedentes: a CDU e o SPD juntam-se para criar a tradicional “Grande Coligação”, Merkel pode formar um Governo minoritário ou o Presidente convoca novas eleições, caso seja impossível de formar governo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Presidente alemão convocou Merkel e Schulz para abordar formação de um Governo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião