Cortar a água? Ministro do Ambiente diz que aumenta o consumo

  • Lusa
  • 28 Novembro 2017

João Pedro Matos Fernandes alerta que a racionalização da água nunca é uma medida positiva. O ministro do Ambiente diz que o corte da água torna o consumo mais abundante.

O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, disse que a racionalização da água, no sentido do corte, nunca é uma medida positiva porque o consumo torna-se depois mais abundante.

“Nunca achamos que seja uma medida positiva a racionalização no sentido do corte porque a experiência mostra abundantemente que, quando isso acontece, o consumo torna-se ainda mais irracional. As pessoas na iminência de ficar sem água enchem a banheira e os recipientes que têm e, no dia a seguir, quando têm água esvaziam tudo”, afirmou à margem do workshop sobre a “Gestão da Água nos rios internacionais: novos desafios e oportunidades”, que contou a presença da sua homóloga espanhola, no Porto.

"Nunca achamos que seja uma medida positiva a racionalização no sentido do corte porque a experiência mostra abundantemente que, quando isso acontece, o consumo torna-se ainda mais irracional. As pessoas na iminência de ficar sem água enchem a banheira e os recipientes que têm e, no dia a seguir, quando têm água esvaziam tudo.”

João Pedro Matos Fernandes

Ministro do Ambiente

O governante reafirmou, como tem feito nos últimos tempos, que o Governo “tudo está a fazer” para que não falte água na torneira dos portugueses. “Mas, para conseguirmos ter sucesso, precisamos do empenho de todos os portugueses para que racionalizem ao máximo os seus consumos”, frisou.

Por isso, João Pedro Matos Fernandes apelou aos portugueses para pouparem água, sobretudo aqueles que vivem em zonas onde a seca é mais evidente como é o caso do distrito de Viseu. O Governo está a fazer um acompanhamento “muito fino” dos distritos onde as albufeiras não têm a quantidade de água que deveriam ter nesta altura do ano, sublinhou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cortar a água? Ministro do Ambiente diz que aumenta o consumo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião