Depois da Ryanair, falha na American Airlines deixa milhares de voos sem piloto

  • ECO
  • 30 Novembro 2017

Erro no sistema que planeia férias de pilotos está a pôr em risco de cancelamento 15 mil voos da American Airlines. Transportadora aérea americana ofereceu mais dinheiro aos pilotos, que o rejeitaram.

Se as férias são sinónimo de descanso e satisfação para o comum dos mortais, para as companhias aéreas parecem ser períodos de verdadeiro drama, especialmente quando o sistema de planeamento de folgas dos pilotos falha. Foi isso que aconteceu, em setembro, à irlandesa Ryanair e que acaba de acontecer à norte-americana American Airlines. Cerca de 15 mil voos (de 17 a 31 de dezembro) dessa companhia de aviação estão, assim, em risco de serem cancelados, devido a um erro no agendamento das pausas dos pilotos.

Normalmente, o sistema não permite que os profissionais neguem ficar a cargo dos voos que lhes foram atribuídos a menos que estejam disponíveis outros pilotos para os cobrirem. Neste caso, os profissionais conseguiram indicar que não estariam disponíveis sem que o sistema primeiro confirmasse se haveria substitutos suficientes para essas datas, deixando lacunas no mapa de distribuição dos voos. “O computador disse: ‘Olá, malta. Querem dias de folga? Tomem lá”, brincou o porta-voz da transportadora, em declarações à CNBC.

Em resposta, a American Airlines está a oferecer a esses trabalhadores um aumento de 150% nos dias afetados pela falha. A medida não teve, contudo, o efeito desejado. Segundo o mesmo órgão de comunicação, o sindicato Allied Pilots Association — que representa mais de 15 mil pilotos — apresentou queixa contra a transportadora e alega que a solução proposta “viola os contratos, tendo em conta a política restritiva de pagamento de horas extraordinárias da empresa”.

À Bloomberg, o porta-voz da American Airlines garantiu que estão a tentar evitar qualquer disrupção no serviço. “Estamos a trabalhar diligentemente para resolver o problema e esperamos evitar qualquer cancelamento durante este período festivo”, sublinhou Matt Miller. Mesmo que consiga manter os voos, a transportadora norte-americana deverá, no mínimo, sofrer com o aumento dos gastos com os recursos humanos, o que é particularmente preocupante já que os investidores estão a apertar o escrutínio sobre as despesas da empresa.

De acordo com o The New York Times, os voos afetados têm origem em Boston, Washington, Nova York, Chicago, Filadélfia, Charlotte (no estado da Carolina do Norte) e Dallas (no Texas). A American Airlines é a maior transportadora aérea do mundo e realiza cerca de 6,700 voos por dia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois da Ryanair, falha na American Airlines deixa milhares de voos sem piloto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião