Comissão Juncker diz que vai “trabalhar muito bem” com eleito

  • Lusa
  • 1 Dezembro 2017

A Comissão Europeia não comenta os candidatos à liderança do Eurogrupo. A escolha do novo presidente “é um assunto de governos e a Comissão não interfere”.

A Comissão Europeia escusou-se hoje a fazer comentários sobre os quatro candidatos ao cargo de presidente do Eurogrupo, entre os quais Mário Centeno, limitando-se a garantir que irá “trabalhar muito bem” com quem for eleito.

Questionado durante a conferência de imprensa diária da Comissão sobre se o presidente do executivo comunitário, Jean-Claude Juncker, tinha alguma preferência entre os quatro candidatos – Mário Centeno, Peter Kazimir (Eslováquia), Dana Reizniece-Ozola (Letónia) e Pierre Gramegna (Luxemburgo)-, até porque o último é seu compatriota, o porta-voz Alexander Winterstein sublinhou que “se trata de uma decisão que cabe ao Eurogrupo tomar” e a Comissão nada tem a comentar.

“Trabalhámos muito bem com o presidente atual (Jeroen Dijsselbloem), vamos trabalhar muito bem com o próximo”, afirmou o porta-voz.

Winterstein reconheceu que “é verdade que o presidente Juncker já foi ele próprio presidente dessa formação (2005-2013) e conhece-a extremamente bem”, mas reforçou que, tal como o presidente da Comissão já sublinhou numa entrevista recente, a escolha do novo presidente “é um assunto de governos e a Comissão não interfere”.

O Eurogrupo, fórum informal de ministros das Finanças da zona euro, prepara-se para eleger, na próxima segunda-feira, o terceiro presidente da história, tendo quatro ministros apresentado as suas candidaturas até ao prazo limite para o efeito, 12h00 de quinta-feira em Bruxelas.

Numa eleição por maioria simples, os 19 países da área do euro escolherão entre Centeno, Kazimir, Ozola e Gramegna como sucessor do holandês Jeroen Dijsselbloem, que em janeiro de 2013 sucedeu àquele que foi o primeiro presidente do fórum informal de ministros das Finanças da zona euro, o agora presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, que quando assumiu funções (2005) era primeiro-ministro e ministro das Finanças do Luxemburgo.

A generalidade da imprensa internacional e muitos analistas em Bruxelas apontam Centeno como o favorito, e referem que Gramegna tem contra si designadamente o facto de o Luxemburgo, um dos mais pequenos Estados-membros da União, já ter a presidência da Comissão Europeia (Juncker).

A eleição realizar-se-á na segunda-feira à tarde, naquele que será o último encontro do Eurogrupo presidido por Dijsselbloem, que deixou de ser ministro das Finanças da Holanda na sequência das eleições legislativas deste ano naquele país.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comissão Juncker diz que vai “trabalhar muito bem” com eleito

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião