Conheça o The 3rd Floor, o andar mais criativo de Lisboa

Espaço de 220 metros quadrados na Baixa lisboeta vai ser local de trabalho para artistas, arquitetos e designers.

Rua da Madalena, 85, 3º. Bem-vindos ao The 3rd Floor, o espaço de maior concentração de criativos por metro quadrado. O espaço, um piso de 220 metros quadrados dividido por cinco salas em plena Baixa lisboeta, vai ser ponto de encontro do trabalho de artistas, designers e arquitetos. Ao espaço juntam-se mais duas salas híbridas, reservadas a exposições, conversas e workshops de promoção de criatividade a vários níveis.

A missão deste apartamento é aliar o melhor que a tecnologia tem para oferecer ao ofício e técnica, à autenticidade do trabalho do artesão e à minúcia das tradições do craftsmanship ao longo de décadas“, explica fonte do projeto, em comunicado. Além de agregar no mesmo espaço, produtos e projetos inovadores que são sustentáveis, o The 3rd Floor quer também promover uma rede de contactos e partilha entre designers, criativos e instituições culturais, tanto a nível local, como nacional e internacional.

Por isso, ao espaço de trabalho comunitário irão também juntar-se residências artísticas, assim como “outros programas de mobilidade e organização de eventos culturais que coloquem a cidade a mexer”. O The 3rd Floor é uma criação do Babled Design, que fica dois andares abaixo, no mesmo edifício.

Entre os parceiros do projeto estão profissionais individuais, que usam o espaço em regime de coworking, e também projetos empreendedores, que contam com os próprios ateliês integrados no The 3rd Floor, ou que estão a desenvolver parcerias com o Babled Studio.

  • Passa ao futuro: Ligar os designers aos artesãos portugueses é o mote do projeto Passa ao Futuro, uma associação sem fins lucrativos que tem vindo a mapear os ofícios e artesãos nacionais que ainda trabalham com técnicas tradicionais. O objetivo? Colocá-los em contacto com criativos e designers, tanto portugueses como estrangeiros, de forma a promover estruturas colaborativas que potenciem e ativem o conhecimento tácito e material, assim como a herança técnica de Portugal. O projeto procura incorporar os princípios do Cradle to Cradle e da Biomimética — duas correntes que procuram na natureza processos e estruturas que solucionem problemas de sustentabilidade — no processo de criação. Uma forma de respeitar estes valores é selecionar artesãos e ofícios que trabalham materiais e técnicas renováveis, locais e parte de uma economia circular. A primeira ação prática deste projeto acontece em 2018, com três residências. Duas acontecerão no Algarve, em coordenação com o projeto TASA. A última será em Lisboa, com a Fundação Ricardo Espírito Santo e Silva. Para estas residências, a Passa ao Futuro convidou designers a colaborar com artesãos na criação de novos produtos que serão depois apresentados em duas exposições.
  • Vicarte: É fruto de uma parceria entre a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa e a Faculdade de Belas Artes, também de Lisboa, cujo intuito é unir o passado ao presente através do estudo de práticas de produção históricas e tradicionais, desenvolvendo novos materiais de vidro e cerâmica para a arte contemporânea, explorando as diferentes estéticas e conceitos teóricos da arte. Para tal, as metodologias utilizadas nas várias áreas criativas são desenvolver soluções tecnológicas para o vidro e cerâmica que no futuro possam ser usadas na arte e no design; a criação de peças que explorem as vozes artísticas de cada criativo; desenvolver relações estratégicas entre designers, marketing e indústria. A Vicarte é responsável pelo Mestrado em Vidro e Cerâmica nas Artes da Faculdade de Ciências e Tecnologia. O nome vem do facto de esta marca usar só a “falca”, uma cortiça proveniente das podas dos sobreiros e que é usada na manufatura do granulado de cortiça que, depois de triturado e limpo, é posto numa autoclave através de um processo 100% natural, sem recurso a aditivos. Esta tecnologia, desenvolvida pela Sofalca, consiste em encher uma autoclave com o granulado e injetar vapor de água a alta temperatura, o que irá provocar a expansão dos grãos e aglomerar com a própria resina da cortiça. Esta “cozedura” dá à cortiça uma cor escura, semelhante ao chocolate.
  • TorArt: O estúdio, localizado em Carrara, Itália, combina técnicas tradicionais e manuais de esculpir mármore com as mais avançadas tecnologias, do laser 3D, aos robôs. Esta combinação, entre a inovação tecnológica com a minúcia de terminar a mármore, granito ou pedra à mão, permite ultrapassar obstáculos ambientais ou de sustentabilidade, assim como assegura a precisão na reprodução das obras. Este tipo de processo pode ser aplicado no restauro de peças históricas ou elementos arquitetónicos, assim como ferramenta para designers, arquitetos e artistas desenvolverem projetos mais contemporâneos. Emmanuel Babled trabalha com a Torart há mais de dez anos em vários projetos criativos, como a mesa Quark Marble, as séries Simbiosi e Osmosi, a poltrona Sunshare, a mesa Stepp, a mesa de apoio Librastone e, mais recentemente, a cadeira Den. Todos estes projetos traduzem a procura constante por aliar processos tradicionais de manufatura na produção de peças contemporâneas.

O que é o estúdio Babled Design?

O francês Emmanuel Babled é o fundador do estúdio de design que leva a seu apelido e do The 3rd Floor.D.R.

Criado pelo francês Emmanuel Babled, o estúdio de design Babled funciona em Lisboa desde janeiro de 2016. A empresa foi criada no início dos anos 90, quatro anos depois de Emmanuel terminar o curso de design industrial, em Milão, em 1989.

Desde 1995 que o Babled Studio se dedica a trabalhar vidro, cerâmica, peças de luxo para o mercado de moda e edições limitadas para marcas prestigiadas como a Baccarat, Bulgari, Laurent Perrier, Magis ou Christian Dior, entre muitas outras de variados países do mundo.

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Conheça o The 3rd Floor, o andar mais criativo de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião