As reações dos partidos portugueses à eleição de Centeno

Mário Centeno vai ser presidente do Eurogrupo em fevereiro. Como reagiram os partidos à eleição do ministro das Finanças português?

O ministro das Finanças português, Mário Centeno, foi esta segunda-feira eleito presidente do Eurogrupo, o órgão europeu que reúne os titulares da pasta das Finanças dos países da Zona Euro. Centeno foi amplamente felicitado por várias figuras-chave da economia internacional, mas as reações também surgiram vindas dos principais partidos portugueses.

João Galamba, líder parlamentar do Partido Socialista (PS), disse que a eleição do ministro das Finanças português “é muito importante numa altura em que se discute o futuro da União Europeia”. “É por isso que nos congratulamos com esta decisão”, acrescentou. Para o deputado socialista, “não é o Eurogrupo que vem para Portugal, é Portugal que vai para o Eurogrupo”. Por isso, defendeu, a Europa já ultrapassou a fase em que “a única política possível” é “a austeridade”.

"Não é o Eurogrupo que vem para Portugal, é Portugal que vai para o Eurogrupo.”

João Galamba

Deputado do PS

Do Partido Comunista Português (PCP), a principal reação veio de João Ferreira. Confrontado pelos jornalistas sobre a posição do partido, o eurodeputado garantiu que, mesmo com a eleição de Centeno, “o PCP terá a mesma postura que teve até hoje de luta” contra os “constrangimentos que limitam” o país.

"O PCP terá a mesma postura que teve até hoje de luta [contra os] constrangimentos que limitam [o país].”

João Ferreira

Eurodeputado do PCP

Do lado do Partido Social Democrata (PSD), Duarte Pacheco sublinhou que ser presidente do Eurogrupo “não é o mesmo que ser presidente da Comissão Europeia ou secretário-geral das Nações Unidas”, mas reconheceu que “é um cargo importante”. Além disso, defendeu, é “uma garantia de que as políticas de rigor e consolidação orçamental não vacilarão” e que vão “continuar no rumo que se iniciou em 2011”. “Se Portugal, em 2011, estava com um procedimento por défice excessivo, e se não tivesse iniciado aí um percurso de redução do défice, sem dúvida nenhuma que um compatriota nosso não alcançaria essa posição”, acrescentou o deputado.

"[Ser presidente do Eurogrupo] não é o mesmo que ser presidente da Comissão Europeia ou secretário-geral das Nações Unidas.”

Duarte Pacheco

Deputado do PSD

Quanto ao Centro Democrático Social (CDS), a reação veio do deputado João de Almeida. “O Eurogrupo, por si, não tem uma política. Por isso, o que é fundamental e relevante são as posições que toma e aquilo que defende em relação àquilo que deve ser a postura europeia”, afirmou. Mas também sublinhou: “Não vejo, neste momento, que haja essa vantagem.” “As nossas divergências com o professor Mário Centeno e a sua gestão das Finanças Públicas têm muito mais a ver com questões de transparência” ao invés de questões europeias, acrescentou o centrista.

"As nossas divergências com o professor Mário Centeno e a sua gestão das Finanças Públicas têm muito mais a ver com questões de transparência.”

João de Almeida

Deputado do CDS

Ainda não são conhecidas reações por parte do Bloco de Esquerda (BE) que, a par com o PCP, é um dos partidos que suporta o Governo minoritário de António Costa na Assembleia da República.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

As reações dos partidos portugueses à eleição de Centeno

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião