Xiaomi quer ir para a bolsa avaliada em 50 mil milhões de dólares

  • ECO
  • 4 Dezembro 2017

A avaliação inicial fica aquém das expectativas de alguns executivos que chegaram a pensar numa avaliação da Xiaomi de 100 mil milhões de dólares.

A Xiaomi quer passar a ser cotada em bolsa no próximo ano. Para isso, a tecnológica chinesa tem vindo a negociar com bancos de investimento o apoio a uma Oferta Pública Inicial (IPO) onde pretende alcançar uma avaliação de, pelo menos 50 mil milhões de dólares (42,04 mil milhões de euros), segundo fonte citada pela Bloomberg.

A bolsa de Hong Kong é o mercado sugerido pelos bancos, mas as dúvidas persistem relativamente à possibilidade da empresa conseguir chegar a esta avaliação de 50 mil milhões de dólares. Em 2014, a Xiaomi foi avaliada em 46 mil milhões de dólares.

Nos últimos meses, a Xiaomi tem vindo a fazer frente aos concorrentes Huawei e Oppo. Com sede em Pequim, a empresa tecnológica liderada por Lei Jun, tem vindo a apostar no retalho no mercado indiano, considerado o de maior crescimento no setor dos smartphones. Em 2016, a empresa conseguiu lucros de mil milhões de dólares apenas a partir da Índia.

A tecnológica recusa-se a comentar a situação e Lei Jun nega a existência de um relatório onde consta que a Xiaomi pretende proceder a uma oferta pública inicial na segunda metade de 2018.

Em 2014, a estratégia de comunicação nas redes sociais e o recurso a flash sales catapultaram a Xiaomi, tornando-a a empresa mais valiosa do mundo. No entanto, a empresa viu-se a braços com uma redução nas suas remessas no ano passado, tendo caído para quinto lugar entre os concorrentes locais no primeiro trimestre.

A Xiaomi tem vindo a expandir-se para mercados emergentes como a Rússia ou o a Indonésia, e pretende apostar nos acessórios de fitness nos Estados Unidos, onde já decidiu pôr de parte a venda de smartphones.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Xiaomi quer ir para a bolsa avaliada em 50 mil milhões de dólares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião