Vítor Caldeira: identificar riscos na contratação pública é prioridade

  • ECO
  • 6 Dezembro 2017

Presidente do Conselho de Prevenção da Corrupção apresentou, esta quarta-feira, como prioridades para 2018 o escrutínio da contratação pública e o combate ao branqueamento de capitais.

Transparência e concorrência. São essas as duas principais preocupações do Conselho de Prevenção da Corrupção para 2018, no que diz respeito à contratação pública. Esta quarta-feira, Vítor Caldeira relembrou que, em janeiro, entra em vigor a versão alterada do Código do Trabalho Público e deixou claro que, por isso, é preciso ter atenção aos riscos que se levantam principalmente nestas duas áreas. O mecanismo dos ajustes diretos também será analisado.

Além disso, o presidente sublinhou que o conselho vai assumir, no próximo ano, como prioridades o combate ao branqueamento de capitais (particularmente, nos casos da evasão fiscal e planeamento ilícito fiscal), a identificação e prevenção dos riscos de corrupção ou de outras infrações conexas (neste ponto, com especial foco nos novos problemas trazidos pela Administração Pública eletrónica), e a análise do modo como é feita a gestão pelas entidades responsáveis por mitigar todos estes riscos.

Vítor Caldeira realçou, também, que em 2018, o Conselho da Prevenção da Corrupção celebra dez anos e que, portanto, será um ano de reflexões, novas parcerias (nomeadamente com organismos que apliquem sanções e não ajam apenas no sentido da prevenção) e elaboração de perspetivas concretas para o futuro.

Conselho aproxima cidadania das universidades

Outros dos objetivos da conselho é a aproximação às escolas e o reforço da educação para a cidadania, para que essa disciplina seja introduzida na vida dos portugueses desde cedo. Ainda no campo académico, Vítor Caldeira anunciou o lançamento de um prémio para os investigadores que tenham concluído teses sobre a prevenção da corrupção. “Este é um exercício de cidadania junto das universidades”, considerou.

O Prémio CPC-Ciência pretende promover a investigação nas áreas da ética, integridade, transparência e gestão de riscos de corrupção e infrações conexas. A distinção será entregue a um autor de trabalho científico, original e inédito, que será escolhido por um júri presidido pelo advogado Rui Patrício, segundo disse Caldeira à Lusa.

Por último, Vítor Caldeira explicou que o atraso na publicação dos resultados do inquérito sobre conflitos de interesses se fica a dever ao alargamento do número de organismos interessados em participar. “Subestimámos o universo de entidades”, confessou o presidente do conselho, que referiu que estão agora a ser ouvidas 1,400 a 1,500 empresas (ao invés das mil inicialmente pensadas). O prazo de entrega das respostas passou, assim, para 15 deste mês e só em janeiro, por isso, sairão as primeiras conclusões.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vítor Caldeira: identificar riscos na contratação pública é prioridade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião