Centeno: “Saúda-se o facto de as previsões do FMI convergirem com as previsões nacionais”

  • Margarida Peixoto
  • 7 Dezembro 2017

Perante a coincidência das projeções do FMI em matéria de défice e de PIB para 2017 e 2018 com as expectativas do Governo, o ministério das Finanças saúda o Fundo.

O Ministério das Finanças saudou esta quinta-feira o staff do Fundo Monetário Internacional por ir ao encontro das previsões do Governo para o crescimento da economia e a redução do défice tanto este ano, como em 2018. Em junho, a equipa de Washington estava ainda reticente sobre a capacidade do ministro das Finanças português de cumprir as metas, mas depois da 6.ª Avaliação Pós-Programa reviu em alta as suas projeções.

“Saúda-se o facto de as previsões do FMI convergirem, agora, com as previsões nacionais”, lê-se no comunicado de imprensa enviado pelo gabinete de Mário Centeno às redações, na reação aos comunicados publicados esta tarde pela Comissão Europeia e BCE, por um lado, e FMI, por outro, na sequência da visita a Lisboa entre 28 de novembro e 6 de dezembro.

Saúda-se o facto de as previsões do FMI convergirem, agora, com as previsões nacionais.

Ministério das Finanças

Comunicado de imprensa

FMI e Governo antecipam agora um crescimento de 2,6% do PIB este ano e de 2,2% em 2018. Quanto ao défice, ambos esperam uma redução para 1,4% do PIB em 2017 e para 1,1% no próximo ano.

Tanto o FMI como a Comissão reconheceram os progressos realizados pela economia portuguesa em várias dimensões — ritmo da retoma, redução da taxa de desemprego, melhoria das condições do sistema financeiro, redução do défice e da dívida. Contudo, ambos avisaram também que o ritmo de redução dos desequilíbrios poderia ser maior. E recomendaram a Centeno que aproveitasse o ciclo económico positivo e a redução dos encargos com juros para baixar estruturalmente o défice e acelerar a redução da dívida.

Mas sobre esta recomendação o Executivo português não se pronunciou diretamente. Centeno notou o reconhecimento dos progressos por parte das instituições internacionais, fez questão de sublinhar que “90% do aumento líquido de emprego em 2017 (…) corresponde a contratos permanentes” e defendeu o “rigor da execução orçamental de 2016” e o cumprimento das metas “estabelecidas pela Assembleia da República” para 2017.

O Executivo lembrou ainda a “prioridade dada à estabilização do setor financeiro” e o reconhecimento dos resultados por parte de ambas as missões e prometeu prosseguir com o rumo atual, respondendo às recomendações com o Programa Nacional de Reformas (PNR). “O Governo continuará a implementação do PNR de forma decidida dando, assim, resposta a várias das preocupações expressas pelas instituições internacionais”, lê-se na nota.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno: “Saúda-se o facto de as previsões do FMI convergirem com as previsões nacionais”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião