Dijsselbloem: Eurogrupo não vai mudar com Centeno

  • Juliana Nogueira Santos
  • 7 Dezembro 2017

Questionado acerca da possibilidade de a entrada de um socialista para o Eurogrupo possa significar o fim da austeridade, Djisselbloem considera que "este é um não debate".

A eleição de Mário Centeno para o lugar de presidente do Eurogrupo foi encarada por muitos como o começo de uma nova era da instituição europeia. Contudo, o ainda presidente já veio a público negar que tal possa acontecer. “A mudança na liderança não significa que, de repente, as políticas vão mudar”, afirmou Dijsselbloem no Parlamento Europeu.

Questionado acerca da possibilidade de a entrada de um socialista para o Eurogrupo possa significar o fim da austeridade, Djisselbloem considera que “este é um não-debate”, visto que “a estratégia do Eurogrupo nunca foi definida por uma abordagem uni direcionada de austeridade”.

Dijsselbloem deixou claro que as decisões do Eurogrupo serão sempre tomadas pela “unanimidade”, sendo que “uma grande parte da estratégia está fundada no Pacto de Estabilidade e Crescimento e noutros acordos entre nós”.

No dia da eleição, o New York Times sublinhou a ascensão de “uma mudança no foco”, “sinal de que os governantes da região podem estar prontos para deixar para trás uma era em que o euro parecia estar à beira do colapso”, podia ler-se no jornal norte-americano.

(Notícia atualizada às 12h00 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dijsselbloem: Eurogrupo não vai mudar com Centeno

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião