Seguros da Liberty vão sair de Londres para o Luxemburgo

O Brexit vai fazer mais uma baixa. A Liberty Specialty Markets anunciou que vai transferir os seguros para o Luxemburgo, mas vai manter alguma atividade em Londres.

A Liberty Specialty Markets anunciou esta sexta-feira que está a planear deslocalizar a sua empresa de seguros no Luxemburgo, na sequência da decisão do Reino Unido deixar a União Europeia, avança a Reuters.

O anúncio foi feito no dia em que Londres e Bruxelas terem anunciado um acordo sobre os termos do divórcio. Ainda assim, a empresa disse que vai manter uma presença “substancial” em Londres e que a decisão tinha sido tomada porque a empresa preferiu criar uma unidade de seguros à parte.

Desde que foi conhecido o resultado do referendo que ditou a saída do Reino Unido da União Europeia são muitas as empresas que têm anunciado o desejo de sair de Londres, ou simplesmente reduzir a presença. O HSBC, por exemplo, escolheu a capital francesa para realocar uma fatia dos seus empregados. Em comunicado aos jornalistas, Iain Mackay, diretor financeiro do banco, avançou, no final de outubro, que poderá mudar até 1000 postos de trabalho para Paris. Em julho, foi o Citigroup que anunciou a mudança da sua sede financeira para Frankfurt, a mesma cidade alemã escolhida por outras entidades como o Deutsche Bank, a Standard Chartered, a Nomura Holdings, a Sumitomo Mitsui Financial Group e a Daiwa Securities Group. Este mês, o Citigroup abriu também um novo centro em Luxemburgo, destinado a clientes mais ricos.

O Banco de Inglaterra, numa audiência parlamentar, no início de novembro, avançou que no dia seguinte à saída daquele país da União Europeia, se perderão dez mil empregos, e solicitou ao Governo britânico um acordo de transição para evitar prejuízos para as empresas. Segundo o vice-governador da autoridade de regulação prudencial do Banco de Inglaterra, Sam Woods, o número representa cerca de 3% daqueles que trabalham em Londres ou nas redondezas e de 2% dos empregos na banca e seguros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seguros da Liberty vão sair de Londres para o Luxemburgo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião