É preciso mais articulação para aceder a verbas de instituições multilaterais, diz secretária de Estado

  • Lusa
  • 9 Dezembro 2017

A secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Teresa Ribeiro, defende mais articulação entre a Sofid e as pequenas e médias empresas para conseguir aceder às verbas disponibilizadas.

A secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Teresa Ribeiro, defendeu este sábado mais articulação entre a Sofid e as pequenas e médias empresas para conseguir aceder às verbas disponibilizadas pelas instituições multilaterais financeiras.

“Para podermos aproveitar plenamente os fundos, e são muitos, dessas multilaterais, como o Banco Europeu de Investimentos (BEI) e o Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), precisamos de uma instituição que faça a articulação com essas instituições, e essa foi a preocupação inicial deste Governo”, disse Teresa Ribeiro.

Em entrevista à Lusa, centrada na estratégia do Ministério dos Negócios Estrangeiros para ajudar as empresas portuguesas a concorrerem aos grandes projetos africanos que podem beneficiar de financiamento das instituições multilaterais financeiras, Teresa Ribeiro vincou que é fundamental “mudar a perspetiva, da empresa para o projeto“.

Com a ajuda da Sociedade para o Financiamento do Desenvolvimento (Sofid), cuja tutela política é agora partilhada com as Finanças, o objetivo é “mudar a perspetiva, da empresa para o projeto, e em cada momento fazer a conciliação entre as duas coisas”, para ser possível “antecipar as necessidades porque não podemos contentar-nos em ser subcontratados pelas grandes empresas multinacionais”.

Para Teresa Ribeiro, “intervir numa fase precoce obriga a que seja possível desenhar o projeto e torná-lo ‘bancável’, para depois apresentar o plano a uma multilateral financeira com o apoio da Sofid, o que pressupõe uma cadeia, uma engrenagem bem oleada”.

Este financiamento, acrescentou a governante na conversa com a Lusa, não está vocacionado para projetos de 2 ou 3 milhões de euros, mas sim para grandes projetos de dezenas de milhões; o Plano de Investimentos Externos, aprovado em setembro por Bruxelas, tem uma dotação inicial de 5,5 mil milhões de euros para projetos que podem beneficiar de uma alavancagem financeira para elevar o montante até 50 mil milhões de euros.

As embaixadas, nomeadamente as que operam em África, “o destino natural das empresas portuguesas”, têm um papel determinante para, em conjunto com a Sofid e a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), identificarem as oportunidades de negócio e fazerem a articulação com os planos de negócios das empresas, nomeadamente as PME.

“Queremos que as nossas embaixadas, com os técnicos de cooperação e a AICEP, identifiquem áreas que correspondem a intenções [dos Governos] na área dos projetos dos diferentes países“, e depois possam articular com os planos de internacionalização das empresas portuguesas, argumentou a governante.

“A Sofid precisa de se tornar o instrumento capaz de articular entre o plano das empresas e o plano dos financiamentos, e é isso que estamos a fazer”, adiantou.

Em novembro, exemplificou Teresa Ribeiro, o presidente do BAD esteve em Lisboa e constatou-se que a instituição “está interessadíssima [em financiar projetos portugueses] porque há um conjunto de empresas dos diferentes países que falam português que podem ser muito interessantes para executar projetos necessários e que o banco quer financiar”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

É preciso mais articulação para aceder a verbas de instituições multilaterais, diz secretária de Estado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião