Altice Portugal pede “confiança e lealdade” aos sindicatos

Estruturas que representam os trabalhadores reuniram com Alexandre Fonseca, o novo líder da Altice Portugal. Gestor terá pedido "confiança e lealdade", disseram fontes sindicais ao ECO.

O novo presidente executivo da Altice Portugal, Alexandre Fonseca, terá pedido “confiança e lealdade” aos sindicatos de trabalhadores afetos à empresa, revelaram fontes sindicais ao ECO. O gestor, que substituiu Cláudia Goya na liderança da dona da Meo, esteve reunido esta segunda-feira com os responsáveis das diferentes estruturas sindicais e terá apelado a que os problemas sejam resolvidos entre portas. O administrador João Zúquete também esteve presente no encontro.

Oficialmente, a Altice Portugal refere que “nesta reunião foram abordadas as orientações estratégicas da empresa, bem como escutados os temas considerados relevantes para as estruturas de representação dos trabalhadores, num espírito de diálogo, abertura e proximidade”. “Alexandre Fonseca mostrou disponibilidade para manter um diálogo transparente, aberto e frequente com os trabalhadores”, lê-se numa nota oficial remetida ao ECO.

Entre as preocupações dos funcionários têm estado a transmissão de trabalhadores para outras empresas do grupo ou parceiras, a alegada pressão para aceitarem rescisões ou a existência de pessoas sem funções atribuídas. Questões que não terão sido aprofundadas neste encontro. Ainda assim, a administração da Altice terá mostrado intenções de convocar reuniões regulares com os sindicatos — um sinal de abertura ao diálogo que está a agradar alguns responsáveis sindicais.

O encontro serviu também para tranquilizar os sindicatos para o período conturbado que a empresa tem atravessado, com mudanças na gestão e queda acentuada nas ações na bolsa de Amesterdão. Em causa, os fracos resultados do terceiro trimestre, que levaram a Altice a decretar o fim das compras e a venda de alguns ativos. Entre eles, o negócio na República Dominicana, torres de comunicações na Europa e data centers na Suíça. Em Portugal, está pendente a compra da Media Capital à Prisa por 440 milhões de euros, um negócio que está a ser avaliado pela Autoridade da Concorrência.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Altice Portugal pede “confiança e lealdade” aos sindicatos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião