BCE: Bancos têm de resolver malparado antes da próxima crise

  • ECO
  • 11 Dezembro 2017

Ainda que não seja previsível, Danièle Nouy avisa para iminência de uma nova crise, que irá chegar. Quando isso acontecer, os bancos não podem estar sobrecarregados com malparado.

Danièle Nouy, presidente do Conselho de Supervisão do Banco Central Europeu, considera que ainda que os bancos apontem críticas à política monetária seguida pela instituição que integra, a principal preocupação, antes de chegar uma nova crise, tem de ser o malparado. E essa crise vai chegar.

Em entrevista ao jornal Público, Nouy afirma que as críticas já eram de esperar, visto que “é doloroso lidar com o crédito malparado e que certos países estão a sofrer com elevados volumes de exposição ao mesmo”, “mas é o que tem de ser feito”. No horizonte estão as preocupações com a próxima crise, que ainda que não seja previsível, vai acontecer.

"Não queremos que os bancos entrem na próxima crise sobrecarregados pelo legado da crise anterior. Porque vai haver uma próxima crise; há sempre uma nova crise.”

Danièle Nouy

Presidente do Conselho de Supervisão do BCE

“Não queremos que os bancos entrem na próxima crise sobrecarregados pelo legado da crise anterior. Porque vai haver uma próxima crise; há sempre uma nova crise”, esclareceu a presidente. “Não sabemos o que a irá desencadear, nem quando terá lugar, mas haverá uma nova crise. E se estivesse tudo na mesma relativamente ao crédito malparado, eu não teria feito o meu trabalho.”

Em relação às ferramentas de resolução desta exposição, Nouy afirma que o BCE não não está a ir para além daquelas que são as funções, como já foi apontado pelo Parlamento Europeu. “Não estamos a ir além do mandato do BCE. É não só o nosso mandato, como também a nossa obrigação fazer face aos riscos e às fragilidades dos bancos”, considera.

Nouy afirmou ainda que o BCE está a seguir “atentamente” a plataforma de gestão de crédito malparado que junta CGD, BCP e Novo Banco e que “esta é uma boa ferramenta”. “Para os países que têm este problema – e Portugal é um deles –, a sua magnitude é tão importante que é preciso usar todas as ferramentas possíveis. E esta é uma boa ferramenta”, afirma a presidente do Conselho de Supervisão.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE: Bancos têm de resolver malparado antes da próxima crise

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião