Défice da balança comercial de bens agrava-se em outubro

As importações aumentaram mais do que as exportações em outubro, agravando o défice da balança comercial de bens em mais de 600 milhões de euros face ao período homólogo.

O défice da balança comercial de bens agravou-se 613 milhões de euros para 1,536 mil milhões de euros em outubro, face ao mesmo mês do ano passado. Neste período, as exportações aumentaram 11,8%, enquanto as importações subiram 21,4%. Os dados foram revelados esta segunda-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Segundo o INE, excluindo os combustíveis e lubrificantes (bens muito expostos à volatilidade dos mercados), “as exportações aumentaram 13% e as importações cresceram 19,9%”. Retirando os combustíveis da equação, “a balança comercial atingiu um saldo negativo de 1,066 mil milhões de euros, correspondente a um aumento de 409 milhões de euros em relação ao mesmo mês de 2016″, lê-se numa nota.

Este défice reflete apenas as trocas de bens, não contabilizando os serviçosuma balança em que Portugal regista, habitualmente, um excedente. Além disso, os dados não estão corrigidos do efeito preço.

Numa análise trimestral, as exportações cresceram 10,2% e as importações aumentaram 14,1% no trimestre terminado em outubro, face aos mesmos três meses do ano passado. Os dados mostram um crescimento significativo nas exportações de automóveis para transporte de passageiros, na ordem dos 50,5%.

Variação homóloga das importações por país no trimestre terminado em outubro de 2017

Fonte: INE

As exportações seguem a bom ritmo nos países parceiros, com enfoque para Espanha, França e Alemanha, em que as exportações aumentaram, em termos homólogos, 8,2%, 8,9% e 13,8%, respetivamente.

(Notícia atualizada às 11h28 com mais informações)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Défice da balança comercial de bens agrava-se em outubro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião