Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa rejeita novo horário

  • Marta Santos Silva
  • 12 Dezembro 2017

A comissão eleita pelos trabalhadores opõe-se à imposição da empresa de novas regras, incluindo horários e turnos, a partir de fevereiro. A comissão pede retoma do processo negocial.

A Comissão de Trabalhadores (CT) da Autoeuropa, fábrica da Volkswagen em Palmela, é contra a decisão da administração de impor, fora de negociações, um novo modelo de trabalho que inclui turnos noturnos, laboração contínua e trabalho ao sábado. Após uma reunião esta tarde, a CT decidiu que o novo modelo contraria “a vontade expressa pela maioria dos trabalhadores”, que chumbaram dois pré-acordos que, considera a CT, eram mais favoráveis do que este modelo, que “rejeita por completo”.

A CT, liderada por Fernando Gonçalves, disse em comunicado obtido pelo Dinheiro Vivo e pelo Público que “deverá ser retomado o processo negocial”, começando com um plenário que foi convocado para dia 20, de maneira a ouvir as perspetivas dos trabalhadores. O plenário tem como objetivo “discutir a situação da empresa e exigência de nova negociação” e também a “apresentação do caderno reivindicativo” para o ano que vem.

No mesmo dia 20, o sindicato SITE-Sul, um dos que representa trabalhadores da Autoeuropa, vai reunir com a administração da empresa. O SITE-Sul já reuniu esta manhã com a administração, após a apresentação e divulgação do novo modelo de trabalho, e fez exigências para que o trabalho ao sábado seja apenas voluntário e para que as condições remuneratórias sejam melhoradas, entre outros. Ao ECO, o dirigente sindical Eduardo Florindo disse ver a possibilidade de um consenso com a empresa que resulte em melhores circunstâncias para os trabalhadores.

O horário imposto pela Autoeuropa inclui trabalho ao sábado, turnos de noite resultando em laboração contínua, e o compromisso de negociar um novo modelo de trabalho a implementar a partir de agosto, com uma nova equipa para ser integrada no trabalho de produção do automóvel da Volkswagen T-Roc.

A administração e a Comissão de Trabalhadores deverão ser recebidos esta sexta-feira no Ministério do Trabalho e da Segurança Social pelo ministro da tutela, Vieira da Silva, para facilitar as negociações e o diálogo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa rejeita novo horário

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião