Administração da Autoeuropa e sindicato reúnem-se agora para discutir novos horários

  • Margarida Peixoto
  • 12 Dezembro 2017

O SITE e a administração da Autoeuropa vão entrar agora numa reunião por causa dos novos horários de produção, decididos e comunicados esta manhã pela empresa.

O SITE, Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, e a administração da Autoeuropa vão começar agora uma reunião, adiantou Rogério Silva, ao ECO. Em causa está a decisão da empresa de avançar com os novos horários — que incluem trabalho aos sábados — sem chegar a acordo com a Comissão de Trabalhadores.

Esta terça-feira a Autoeuropa notificou os seus trabalhadores de que a fábrica passará a trabalhar todos os sábados a partir do fim do próximo mês de janeiro. A decisão foi tomada de forma unilateral, depois de tentativas falhadas de chegar a acordo com os trabalhadores.

Conforme explica na carta, a que o ECO teve acesso, a direção da empresa compromete-se a reavaliar a decisão, mas só depois de agosto de 2018.

Entretanto, a empresa impõe o modelo de 17 turnos semanais e a produção ao sábado em dois turnos. “Claramente que vamos refletir no feedback que nos foi dado com o resultado do referendo. Embora tenham sido expressas muitas opiniões diferentes nas várias reuniões, entendemos que a maioria dos colaboradores está comprometida com o cumprimento do programa de produção do próximo ano”, lê-se no comunicado.

Neste modelo que a empresa agora impõe, os sábados são pagos a 100%, equivalente ao trabalho extraordinário, e se forem cumpridos os objetivos acresce 25%. Os novos horários preveem ainda que cada trabalhador terá salvaguardados quatro fins de semana completos de descanso e dois dias consecutivos de folga, a cada dois meses.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Administração da Autoeuropa e sindicato reúnem-se agora para discutir novos horários

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião