Como compara o modelo da Autoeuropa aos acordos rejeitados?

  • Marta Santos Silva
  • 12 Dezembro 2017

Após dois pré-acordos da Comissão de Trabalhadores com a Volkswagen que foram rejeitados pelos funcionários, a Autoeuropa impõe agora um modelo que é quase um intermédio entre as propostas anteriores

A Autoeuropa anunciou esta terça-feira, num comunicado interno enviado aos trabalhadores, que em fevereiro de 2018 vai começar com um novo modelo de trabalho, independentemente dos chumbos a dois pré-acordos que a Comissão de Trabalhadores (CT) negociara com a empresa. O novo modelo de trabalho não é exatamente igual a nenhum dos pré-acordos, mas tem pontos em comum com ambos. Como se vai processar o trabalho na Autoeuropa?

O turno da noite

O modelo que vai ser imposto até agosto do próximo ano envolve a introdução de um turno noturno, como se previa em ambos os pré-acordos, resultando em laboração contínua da fábrica. Os trabalhadores rejeitaram ambos os acordos que propunham esta formulação. De agosto para a frente vai entrar em vigor um modelo diferente, mas este será negociado com a Comissão de Trabalhadores, escreve a empresa no comunicado que enviou aos trabalhadores.

Trabalhadores da fábrica de Palmela da Autoeuropa, da Volkswagen, supervisionam a zona de prensas.Volkswagen Mediakit

As folgas

No entanto, há uma diferença grande em relação ao segundo pré-acordo, recuando a um traço que existia no primeiro: o domingo é uma folga garantida, em vez de ser considerado dia de trabalho. Além disso, quem estiver a trabalhar o turno da noite não tem folgas rotativas. A semana de trabalho individual tem cinco dias, e não seis.

Também nos dias de descanso existem diferenças. Enquanto o segundo pré-acordo previa folgas rotativas com o sábado e o domingo como dias de trabalho, agora o domingo é uma folga fixa. Uma outra folga rotativa será atribuída de acordo com o horário de trabalho de cada um, e “em cada dois meses garantem-se quatro fins de semana completos e mais um período de dois dias consecutivos de folga”.

As remunerações

No que toca às remunerações adicionais, o modelo imposto é parecido ao último pré-acordo rejeitado. O acordo propunha que, na primeira fase, até ao verão, os trabalhadores recebessem pagamento por horas extraordinárias pelos sábados em que trabalhassem — tal como agora o modelo prevê um prémio de 100% sobre cada sábado trabalhado. O acordo anterior já previa o período para lá de agosto, altura em que os sábados deixariam de ser pagos com este prémio, mas sim através de um pagamento mensal adicional de 150 euros apenas. Agora, o período para além de agosto fica para negociar mais tarde.

A newsletter enviada aos trabalhadores da Autoeuropa mostra alguns dos termos do novo modelo de trabalho.DR

Além disso, no entanto, acrescenta um prémio adicional de 25% sobre os sábados trabalhados no trimestre, de acordo com o cumprimento do volume planeado para o trimestre. O trabalho em dia de folga também vale pagamento de trabalho extraordinário.

O período de transição

O primeiro pré-acordo rejeitado propunha um modelo a aplicar durante todo o ano de 2018. O segundo, por sua vez, propunha um período de transição entre fevereiro e agosto, quando a fábrica fecha para o verão, e novas condições de agosto para a frente.

No modelo imposto agora pela empresa, só são conhecidas as condições de fevereiro a agosto. A partir de agosto, tal como no segundo acordo, prevê-se a entrada de uma quarta equipa, composta por trabalhadores com formação especializada, para reforçar os turnos. As condições e horários de trabalho, porém, não ficam esclarecidos — vão ser decididos em negociação com a Comissão de Trabalhadores, explica a empresa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Como compara o modelo da Autoeuropa aos acordos rejeitados?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião