Bolsa em queda antes da Fitch. Juros da dívida também

Agência deverá retirar a dívida portuguesa do nível "lixo" esta sexta-feira. Mas o sentimento é negativo na bolsa de Lisboa, numa altura em que os juros das obrigações também cedem terreno.

Dia de Fitch retirar a dívida portuguesa do nível “lixo”, uma expectativa partilhada por quase todos os analistas. Será o grande acontecimento do dia para os investidores e vai exercer influência ao longo do dia dos mercados. Para já, os juros da dívida portuguesa vão descendo, com o mercado a tentar antecipar-se a uma decisão positiva da agência de rating. Mas também a bolsa de Lisboa abriu em terreno negativo.

O principal índice português, o PSI-20, cede 0,50% para 5.328,18 pontos, com grande parte das cotadas em queda. No mercado obrigacionista, os juros da dívida portuguesa registam quedas nas primeiras horas do dia, sinalizando maior otimismo dos investidores. A yield implícita nas obrigações do Tesouro a dez anos, a referência do mercado, cede para os 1,824%.

“No mercado da dívida tem‐se assistido a um fluxo de ordens de compra de obrigações portuguesas. Muitos investidores têm tentado antecipar a decisão da Fitch, que muitos esperam que eleve o rating da República à categoria de investimento”, dizem os analistas do BPI no Diário de Bolsa. “A atribuição de um rating de investimento à dívida portuguesa torna‐a elegível de ser comprada por investidores institucionais conservadores como fundos de pensões ou seguradoras”, explicam.

Em Lisboa, são poucas as ações que escapam à pressão vendedora. Que é mais intensa na Pharol, cujos títulos afundam mais de 7% para 0,239 euros em nova sessão de quedas acentuadas. A empresa liderada por Palha da Silva tem sido afetada pelo recém-anunciado plano de reestruturação na brasileira Oi que vai retirar o controlo da operadora aos acionistas com a conversão de dívida em capital.

"No mercado da dívida tem‐se assistido a um fluxo de ordens de compra de obrigações portuguesas. Muitos investidores têm tentado antecipar a decisão da Fitch, que muitos esperam que eleve o rating da República à categoria de investimento.”

Analistas do BPI

Diário de Bolsa

Entre os pesos pesados, as ações do BCP (as mais sensíveis aos juros da dívida) estão em terreno negativo: caem 0,31% para 0,2592 euros.

Nos CTT, que têm estado no centro do debate político por causa da perda de qualidade do serviço, também estão em baixa de 2,85% para 3,23 euros. O regulador do setor das telecomunicações deverão tornar mais rígidas algumas regras para os Correios.

Lá por fora, o sentimento nas bolsas também negativo. Em Frankfurt, Madrid, Paris e Milão, as perdas não excedem os 0,5%.

Os analistas do BPI lembram que “um evento que hoje deverá causar alguma volatilidade adicional é o vencimento de futuros e opções. Os momentos mais críticos são o intervalo entre as 10h50 e as 11h00 (vencimento de futuros e opções sobre o Eurostoxx50) e às 12h00 (futuros e opções sobre o DAX- 30)”.

(Notícia atualizada às 8h28)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bolsa em queda antes da Fitch. Juros da dívida também

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião