Madeira e continente por ferry? A partir do próximo ano já vai ser possível

O Governo madeirense garante que irá assegurar a ligação marítima entre o Funchal e o continente por ferry, caso o concurso público aberto para este efeito não seja concretizado.

Em agosto, o Governo madeirense lançou um concurso internacional para o estabelecimento de uma linha marítima entre o arquipélago e o continente. O prazo de candidaturas termina esta segunda-feira e o vice-presidente do Governo regional assegura que, mesmo que o concurso não obtenhas as candidaturas suficientes, irá garantir esse transporte já no próximo verão de 2018.

Já lá vão quatro meses desde que o Governo da Madeira abriu um concurso internacional a todos os armadores que tivessem interesse na concessão de uma linha marítima de transporte regular de cargas e passageiros que irá ligar o Funchal ao continente. A data-limite de candidaturas foi fixada para 3 de novembro, no entanto foi prolongada até esta segunda-feira, a pedido da Mutualista Açoreana.

Após o interesse demonstrado ao Governo madeirense por sete armadores, estes afirmaram que, sem uma indemnização que compensasse o reduzido fluxo de passageiros em certos meses do ano, não valia a pena avançar com a candidatura. No entanto, a autarquia não baixou braços e avançou com vários incentivos que serão entregues ao armador responsável pela ligação marítima, bem como as exigidas indemnizações, no valor de três milhões de euros, durante os três anos da concessão.

Em declarações ao Público, o vice-presidente do Governo, Pedro Calado, garantiu que estão a ser estudados planos de recurso, caso o concurso não obtenha candidaturas suficientes para ser concluído. Apesar de confiar no concurso público, o autarca assegurou: “uma coisa podemos prometer, e vamos manter essa promessa. No verão do próximo ano, no Verão de 2018 teremos o ferry na Madeira”.

O armador que ficará responsável pelo transporte de cargas e passageiros entre o Funchal e o continente terá de assegurar um ferry com menos de 30 anos e capaz de navegar à velocidade mínima de cerca de 40 quilómetros por hora. Com isto, a ligação será feita em menos de 24 horas. Quanto ao destino, o armador tem a opção de escolher o porto — Portimão, Setúbal, Lisboa ou Leixões.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Madeira e continente por ferry? A partir do próximo ano já vai ser possível

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião