Mercadoni tem costela portuguesa. Recebeu nove milhões de investimento

Fundada por dois portugueses na América Latina há dois anos, a startup acaba de fechar uma ronda de financiamento Series A no valor de nove milhões de dólares.

Pedro Freire e António Nunes, fundadores da Mercadoni.D.R./Mercadoni

A Mercadoni, startup fundada pelos portugueses Pedro Freire e António Nunes na América Latina, acaba de fechar uma ronda de financiamento de nove milhões dólares (7,65 milhões de euros), avança a empresa em comunicado. Dois anos depois de ter sido fundada, a Mercadoni recebeu uma ronda de investimento Series A liderada pelo fundo de investimento Naspers (através da Movile), Axon Partners Group (Espanha), SFMS (holding da família Soares dos Santos) e Pegasus (Argentina).

A empresa de e-commerce da América latina conta com mais de 4.000 personal shoppers ativos na plataforma — disponível nos mercados da Colômbia, México e Argentina — e garante a entrega de compras de supermercado em menos de uma hora. Por agora, apenas no continente latinoamericano, a plataforma liga mais de 100 cadeias de supermercados, algumas dos quais integram os maiores grupos de retalho como a Cencosud, Makro, Walmart, entre outros.

“Desde o primeiro dia que a Mercadoni se tem focado no crescimento sustentado das suas operações e conseguiu atingir a rentabilidade operacional em todos os mercados em que opera. Importa realçar este resultado, num modelo de negócio em que muitas empresas maduras a nível internacional ainda não conseguiram assegurar esta rentabilidade”, afirma a empresa em comunicado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mercadoni tem costela portuguesa. Recebeu nove milhões de investimento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião