Redução da dívida pública é “dado novo e positivo do final de 2017”, diz Marcelo

  • Lusa
  • 18 Dezembro 2017

Questionado sobre o alerta deixado esta segunda-feira pelo Tribunal de Contas, o Presidente da República sublinhou que a dívida pública vai reduzir substancialmente daqui até ao fim do ano".

O Presidente da República apontou esta segunda-feira a redução da dívida pública como “um dado novo e positivo do final de 2017”, eventualmente posterior à análise do Tribunal de Contas sobre o endividamento do país agora tornada pública.

Durante uma visita à Sé de Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa foi questionado sobre o alerta para os riscos de “acumulação de elevados níveis de dívida pública” deixado pelo presidente do Tribunal de Contas, Vítor Caldeira, na apresentação do parecer sobre a Conta Geral do Estado de 2016.

“A dívida pública vai reduzir substancialmente daqui até ao fim do ano, tem vindo a reduzir”, contrapôs o chefe de Estado, acrescentando: “Eu penso que esse é um dado novo que, porventura, não está presente em relatórios feitos já há algum tempo. É um dado novo e positivo do final de 2017”.

O Presidente da República ressalvou, no entanto, que, “como o senhor ministro das Finanças tem dito uma, duas, três, várias vezes”, é importante prosseguir a redução da dívida. “Uma das prioridades é o desendividamento do país”, afirmou.

Numa apresentação aos jornalistas do parecer sobre a Conta Geral do Estado de 2016, Vítor Caldeira referiu que o Tribunal de Contas detetou “erros materialmente relevantes” nesse documento e identificou riscos para a sustentabilidade das finanças públicas.

O presidente do Tribunal de Contas alertou para “a acumulação de elevados níveis de dívida pública, bem como as responsabilidades contingentes associadas a empresas públicas, mas também a sociedades-veículo, como o BPN, e ao setor financeiro”.

“As boas notícias quanto ao ‘rating’ da dívida pública não devem ser confundidas com a dívida a descer”, considerou Vítor Caldeira.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Redução da dívida pública é “dado novo e positivo do final de 2017”, diz Marcelo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião