Subida de rating puxa pela bolsa e Lisboa acompanha Europa

A decisão da Fitch de subir o rating da dívida portuguesa em dois níveis está a beneficiar as cotadas. Na Europa, os investidores estão animados com a presumível aprovação da reforma fiscal de Trump.

A subida do rating da dívida soberana portuguesa, por parte da Fitch, está a animar a bolsa nacional, que arrancou esta semana em alta e somou a terceira sessão consecutiva no verde. Lisboa acompanha assim o otimismo que se vive nas restantes praças europeias, numa altura em que os investidores esperam novidades vindas dos Estados Unidos, com a presumível aprovação fina da reforma fiscal da administração Trump.

O PSI-20 fechou a valorizar 0,8%, para os 5.428,89 pontos, o valor mais alto desde o início de outubro. O principal índice acionista nacional fechou com apenas três cotadas em queda, uma inalterada e as restantes em alta. O destaque vai para o BCP, que avançou 0,87%, para os 26,53 cêntimos por ação, a beneficiar da decisão da Fitch de subir o rating da dívida portuguesa em dois níveis.

Também o setor energético esteve a puxar pelo PSI-20, com a Galp a ganhar 0,81%, para os 15,63 euros por ação, um dia em que o petróleo regressou ao verde. O barril de Brent, que serve de referência para o mercado nacional, sobe perto de 0,5% e negoceia na casa dos 63 dólares. Ainda na energia, a EDP Renováveis avançou 2,29%, para os 6,86 euros, e a EDP fechou praticamente inalterada, a subir apenas 0,07%, para os 2,93 euros.

A maior subida é a dos CTT, que valorizou mais de 4%, para os 3,41 euros por ação. Isto numa altura em que a administração da empresa de correios se prepara para anunciar um plano de reestruturação, para fazer face à quebra de receitas e aumento dos custos.

No mercado da dívida, o dia também foi positivo para Portugal. Também à boleia da decisão da Fitch, os juros da dívida a dez anos renovaram mínimos de março de 2015 e estão agora nos 1,780%.

No resto da Europa, a tendência também foi de ganhos. Tal como nos Estados Unidos, os investidores esperam que a reforma fiscal de Donald Trump, que vai beneficiar as grandes empresas, seja definitivamente aprovada, esta semana, no Congresso norte-americano. O Stoxx 600 avançou 1,2% e a valorização mais expressiva, superior a 1,5%, coube ao DAX alemão.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Subida de rating puxa pela bolsa e Lisboa acompanha Europa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião