2018 será um ano para “repensar realidades estruturais”, diz Marcelo

  • ECO
  • 19 Dezembro 2017

Para o Presidente da República, 2017 foi um ano "demasiado cheio" e "contraditório". Marcelo não esquece as conquistas do país e recorda as tragédias. Chefe de Estado espera receber OE amanhã.

“Foi um ano cheio, talvez cheio demais”. É assim que Marcelo Rebelo de Sousa descreve o ano de 2017, reconhecendo os sucessos económicos e financeiros, bem como o reconhecimento internacional e um conjunto de acontecimentos que “se dispensavam”. O Presidente da República falou junto dos jornalistas e dos líderes parlamentares, na mensagem de Natal em Belém.

Em resposta a Eduardo Ferro Rodrigues, presidente da Assembleia da República, Marcelo refere que ambos têm criado uma amizade, fruto das relações profissionais “permanentes”. “É difícil falar das relações entre a Assembleia da República e o Presidente da República sem falar do país”, acrescenta, concluindo que espera, para 2018, uma “continuação deste clima singularmente positivo no relacionamento entre órgãos”.

Nas suas declarações, o Presidente da Republica avança que poderá receber amanhã o decreto do Orçamento do Estado para 2018, um documento cuja escrita acompanhou nas últimas duas semanas, naquilo a que chama de um “trabalho informal”, conseguido através “da gentileza e dos serviços da Assembleia da República”, diz.

Recordando os incêndios de junho e de outubro, Marcelo Rebelo de Sousa reconhece os esforços que a Assembleia tem tido “em tempo curto”, e sublinha a importância de planear o futuro, de “repensar realidades estruturais”.

Marcelo refere que, em 2017, “a União Europeia adiou opções importantes e reflexões mais importantes”, e acrescenta que os órgãos máximos do bloco terão pouco tempo para tomar decisões até às próximas eleições para o Parlamento Europeu, previstas para o final do próximo ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

2018 será um ano para “repensar realidades estruturais”, diz Marcelo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião