Bancos brasileiros credores da Oi sugerem mudanças em plano de recuperação judicial

  • Lusa
  • 19 Dezembro 2017

O plano de recuperação judicial da Oi já apresentou avanços, mas ainda é preciso "aparar algumas arestas", disse o representante do Banco de Desenvolvimento Económico Social.

O Banco do Brasil e o Banco de Desenvolvimento Económico Social entregaram hoje propostas de alterações ao plano de recuperação judicial da operadora Oi, durante a assembleia-geral de credores da empresa no Rio de Janeiro. As mudanças não foram detalhadas, mas a assembleia-geral foi suspensa até às 19:00 (21:00 Lisboa) para que o presidente da Oi, Eurico Teles, analisasse as propostas.

Segundo Marcelo Rangel, representante do Banco de Desenvolvimento Económico Social (BNDES) na assembleia, o plano de recuperação judicial da Oi já apresentou avanços, mas ainda é preciso “aparar algumas arestas” para que o órgão possa dar parecer favorável na votação final que ainda irá acontecer.

A reunião começou por volta das 11:45 (13:45 Lisboa) e reuniu 3.383 credores da Oi, 83% do total, segundo informações fornecidas à imprensa pelo advogado Arnoldo Wald Filho, representante do escritório independente nomeado para ser administrador da recuperação judicial da operadora brasileira.

Ao longo do dia, Arnoldo Wald Filho confirmou que o plano de recuperação da empresa deve ser votado ainda hoje, embora o juiz Fernando Viana, da 7.ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, tenha determinado que a assembleia-geral poderia ser interrompida e retomada quarta-feira caso as discussões se alongassem.

A Oi, na qual a portuguesa Pharol é acionista de referência com 22% das ações, esteve num processo de fusão com a Portugal Telecom, que nunca se concretizou.

A empresa entrou com um pedido de recuperação judicial em junho do ano passado por não conseguir negociar as dívidas, que na época somavam 65 mil milhões de reais (17 mil milhões de euros).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bancos brasileiros credores da Oi sugerem mudanças em plano de recuperação judicial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião