António Costa acredita que défice em 2017 vai ficar abaixo de 1,4%

  • Lusa
  • 19 Dezembro 2017

"O défice será este ano mais baixo do que o valor inicialmente estimado pelo Governo, que era de 1,5%. Depois a meta passou para 1,4%, mas o défice vai ficar abaixo de 1,4%", disse António Costa.

O primeiro-ministro, António Costa, manifestou-se esta terça-feira confiante de que o défice de Portugal este ano vai ficar abaixo dos projetados 1,4%, num discurso em que defendeu que a mudança a operar em Portugal ter se ser “sustentável”.

António Costa falava em São Bento, durante uma audiência concedida ao Conselho da Diáspora Portuguesa, depois de o presidente desta entidade, o empresário Filipe de Botton, se ter congratulado por Portugal estar “muito diferente hoje em comparação com 2013”.

O primeiro-ministro discursou logo a seguir para reiterar a tese do empresário, começando por salientar a necessidade de Portugal “dar continuidade a uma mudança que seja sustentável”.

“Portugal saiu este ano do Procedimento por Défice Excessivo [na União Europeia], duas agências de rating tiraram o país do nível de lixo, temos melhores condições de financiamento [nos mercados], o investimento privado bateu recordes, o desemprego continua a descer e o défice será este ano mais baixo do que o valor inicialmente estimado pelo Governo, que era de 1,5%. Depois a meta passou para 1,4%, mas o défice vai ficar abaixo de 1,4%”, disse António Costa.

Tendo ao seu lado o secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, o primeiro-ministro manifestou-se também confiante de que, no final deste ano, o valor da dívida de Portugal será inferior às projeções iniciais.

Após o capítulo da economia, António Costa referiu-se a indicadores no campo social, citando dados do Observatório da Emigração, segundo os quais em 2016 saíram menos portugueses do país. “Acredito que o número voltará a baixar em 2017, confirmando esta tendência”, disse, deixando depois um recado ao setor empresarial nacional: “Temos de ter empregos devidamente qualificados”.

Como principais desafios do país em termos de médio prazo, o primeiro-ministro apontou a necessidade de se concretizarem reformas estruturais como a da floresta e a das qualificações. “Temos de ser capazes de responder aos desafios que o futuro nos coloca”, justificou, numa intervenção em que elogiou a importância da ação das comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo.

“Portugal sempre cresceu partindo. Temos de reforçar a capacidade de internacionalização do país”, advogou, perante uma plateia de dezenas de membros do Conselho da Diáspora Portuguesa, entre os quais o filho do Presidente da República, Nuno Rebelo de Sousa, líder da Confederação das Câmaras do Comércio Portuguesas no Brasil.

O Conselho da Diáspora Portuguesa é constituído por 96 conselheiros, dos quais 24 sócios-fundadores, estando presente em 26 países e cinco diferentes continentes. Entre estes membros, 29% são residentes nos Estados Unidos, 10% no Reino Unido, 7% no Brasil e 4% na África do Sul, registando-se ainda a presença de membros provenientes da Bélgica, França e Espanha. Em conselho tem uma forte componente económica, já que 58% dos elementos exercem atividade profissional nesta área, seguindo-se a ciência com 21% e a cultura com 14%.

(Artigo atualizado às 20h41 com mais informações)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

António Costa acredita que défice em 2017 vai ficar abaixo de 1,4%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião