Juiz faz queixa de procuradores do caso EDP

Magistrado Ivo Rosa sentiu-se "ofendido na sua honra" e fez queixa à PGR relativa aos dois procuradores que investigam suspeitas de corrupção no caso EDP.

Os magistrados responsáveis pela investigação de suspeitas de corrupção nas rendas da EDP recorreram para a Relação de Lisboa, argumentando que o juiz Ivo Rosa boicotava a investigação e favorecia “injustificadamente” os arguidos. Segundo avança a Visão, o juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal Ivo Rosa sentiu-se ofendido e fez queixa a Joana Marques Vidal.

O juiz Ivo Rosa – que trabalha lado a lado com o super juiz Carlos Alexandre – já tinha recusado algumas diligências pedidas pela investigação contra os arguidos António Mexia, presidente da EDP, ou o ex-ministro da Economia Manuel Pinho. O que deixou insatisfeitos os procuradores do Ministério Público (MP). E por isso recorreram para o Tribunal da Relação. O juiz Ivo Rosa não gostou do tom deste recurso e apresentou queixa à procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal, por se sentir ofendido. Segundo a Visão, essa queixa data de 10 de novembro.

No despacho a que a Visão teve acesso, o magistrado judicial – que está de saída do Tribunal que investiga a criminalidade mais complexa – invoca que os procuradores Carlos Casimiro Nunes e Hugo Neto, do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), usaram “expressões manifestamente injustificadas e ofensivas da honra e do respeito devido aos juízes”.

Nesse mesmo recurso, os magistrados do DCIAP acusam o juiz de instrução criminal de atacar a autonomia do Ministério Público e de boicotar a investigação, prestando um favorecimento “injustificado aos arguidos”.

Já a 16 de junho, o juiz de instrução já tinha impedido buscas à casa de Manuel Pinho, alegando não existirem indícios “mínimos” de corrupção por parte do ex-ministro da Economia.

O nome de Manuel Pinho, que foi ministro da Economia com a tutela da energia num dos governos de José Sócrates, surge numa das linhas da investigação que tenta associar o financiamento da EDP à Universidade de Columbia (onde a elétrica portuguesa criou um curso de energias renováveis que seria ministrado pelo próprio Manuel Pinho) às condições que a empresa garantiu na revisão dos contratos Custos para a Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC) e no alargamento das concessões das suas barragens – isto em 2007.

O Ministério Público já constituiu neste processo sete arguidos — entre os quais o presidente executivo da EDP, António Mexia – e está a investigar a suspeita de corrupção sobre alegados benefícios que a EDP terá conseguido com esta legislação dos CMEC.

Segundo o que avançou a Sábado, o magistrado vai abandonar funções neste tribunal para ocupar um cargo internacional. A saída poderá ocorrer logo no início do próximo ano. Porém, o próprio magistrado já terá confidenciado a amigos que só assumirá o novo lugar durante o primeiro semestre de 2018. Ivo Rosa foi nomeado, no passado mês de setembro, representante do Conselho Superior da Magistratura no Programa de Assistência contra o Crime Transnacional Organizado entre a Europa e a América Latina – El Paccto.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juiz faz queixa de procuradores do caso EDP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião