Defesa do cartel da banca já chegou à Concorrência

  • ECO
  • 19 Dezembro 2017

A acusação chegou em maio de 2015, mas o processo tem sofrido atrasos. A Autoridade da Concorrência tem em mãos a defesa dos bancos acusados de formarem um cartel. Decisão final deverá chegar em 2018.

Os 15 bancos acusados em 2015 pela Autoridade da Concorrência de trocarem informação comercial sensível durante 11 anos já apresentaram a sua defesa. Ainda não existe uma decisão final mas, segundo o Jornal de Negócios (acesso pago), pelo menos o BCP já decidiu que vai impugnar a decisão. A acusação ao alegado cartel da banca chegou em maio de 2015, mas a investigação esteve suspensa sete meses por ordem do Tribunal da Concorrência.

As 15 [instituições financeiras] visadas já responderam à nota de ilicitude“, esclareceu a Autoridade da Concorrência em declarações ao jornal. Entre os acusados estão os principais bancos que atuam em Portugal: além do BCP, a CGD, o Montepio ou o Santander Totta. No caso do BCP, este já tem uma posição caso a decisão final condene os bancos: “Se a Autoridade da Concorrência vier a tomar uma decisão final condenatória, o banco poderá ser condenado em multa dentro dos limites da lei (…) não obstante uma tal decisão poder ser impugnada em tribunal”, lia-se no relatório e contas do BCP.

Foi mais de dois anos, em 29 de maio de 2015, que a Autoridade da Concorrência acusou (através da adoção de uma nota de ilicitude) quinze bancos de práticas concertadas, por trocarem informações comerciais consideradas sensíveis sobre a oferta de produtos de crédito na banca de retalho, designadamente, crédito ao consumo, crédito a empresas e crédito à habitação.

Os vários bancos apresentaram oito recursos o que determinou a suspensão do processo até existir sentença dos vários recursos. Contudo, o Tribunal da Relação de Lisboa confirmou a interpretação da AdC de que “a Lei da Concorrência prevê expressamente que a investigação de uma determinada infração não fica prejudicada pela litigância que possa existir durante o procedimento, sob pena de paralisação das investigações em curso” e o processo continuou.

A própria presidente da autoridade admitiu, em audição no Parlamento, que “o processo tem avançado com muito solavancos e soluços”. Em junho, Margarida Matos Rosa esperava pela defesa dos bancos que entretanto já chegou. Nessa altura a responsável da AdC apontava a decisão final para 2018. “Esta calendarização que não prevê novos incidentes processuais, que poderão acontecer. Estou a ser um pouco temerária em prever esta finalização. Mas, em todo o caso, é uma previsão realista da Autoridade e por parte dos nossos serviços”, indicou no Parlamento.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Defesa do cartel da banca já chegou à Concorrência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião