Fernando Pinto: “Cheguei à TAP com uma missão. Estou absolutamente realizado”

O presidente executivo da TAP chegou há 17 anos para privatizar a companhia aérea. Com a missão concluída, sente-se "absolutamente realizado", mas garante que a decisão da sua saída não está tomada.

O mandato de Fernando Pinto à frente da TAP chega ao fim este ano e mantém-se a dúvida sobre a sua continuidade. O presidente executivo da companhia aérea nacional garante que ainda nada está definido e que a decisão é tomada pelos acionistas, mas deixa também claro que já se sente “absolutamente realizado” com o trabalho que fez. Até porque a missão para a qual foi contratado há 17 anos, a privatização da TAP, já está concluída.

“Essa, obviamente, não é uma decisão minha”, começou por sublinhar Fernando Pinto, durante um encontro com jornalistas que decorreu esta tarde, na sede da TAP, quando questionado sobre a sua saída.

Ainda assim, reconhece, a sua missão está concluída. “Cheguei aqui com uma missão. A minha missão, foi-me dito no primeiro dia, era privatizar a TAP. Pois isso foi feito há dois anos. Pediram-me algo mais: dar uma continuidade, por algum tempo, para estabilizar o processo de transição”, afirmou, acrescentando que “está comprovado que a estabilidade do processo de transição é, hoje, uma realidade e um grande sucesso”.

"Cheguei aqui com uma missão. A minha missão, foi-me dito no primeiro dia, era privatizar a TAP. Pois isso foi feito há dois anos.”

Fernando Pinto

Presidente executivo da TAP

“Diria que foram 15 anos de sobrevivência e de crescimento e dois anos de transição extremamente importantes. Este último ano foi de um maravilhoso resultado. Olhando para 2018, vendo que a empresa está no bom caminho, estou absolutamente realizado”, garantiu.

Seja qual for a decisão que venha a ser tomada pelos acionista, Fernando Pinto disse ainda que quer continuar ligado à empresa. “Não quero desligar-me da TAP. Nem que seja como acionista”.

Na calha para substituir Fernando Pinto à frente da TAP está Antonoaldo Neves, antigo presidente executivo da brasileira Azul. No mês passado, à margem do Congresso Nacional da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT), Diogo Lacerda Machado, administrador não executivo da TAP, admitiu que Antonoaldo Neves poderá “ser uma opção por parte dos privados”, uma vez que “tem perfil para isso”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fernando Pinto: “Cheguei à TAP com uma missão. Estou absolutamente realizado”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião