À terceira não é de vez: chineses da TAP falham (de) novo negócio

  • ECO
  • 21 Dezembro 2017

Os acionistas da transportadora aérea portuguesa falharam, pela terceira vez consecutiva, um negócio. A sua onda de compras à volta do Mundo está ameaçada, diz a Bloomberg.

O grupo chinês HNA, que detém 2,5% da TAP, enfrentou mais um obstáculo, desta vez na Nova Zelândia. As autoridades do país decidiram bloquear a aquisição da ANZ, um grupo financeiro neozelandês, argumentando que não é claro quem controla o HNA. O negócio estava avaliado em 460 milhões de dólares. Em seis meses, esta é a terceira aquisição falhada para os maiores acionistas do Deutsche Bank.

O conglomerado endividado falhou mais um negócio numa altura em que ainda tem várias outras aquisições pendentes. Segundo a Bloomberg, o HNA está a aguardar pelas decisões das autoridades para comprar uma participação no fundo de investimento SkyBridge Capital e na empresa que detém um dos maiores aeroportos do Brasil. Além disso, a unidade Swissport Group, detido pelo HNA, está a aguardar aprovação da aquisição da Aerocare, o maior aeroporto da Austrália e Nova Zelândia.

A potencial aquisição da Australia & New Zealand Banking Group (ANZ) foi só uma das últimas tentativas do HNA. A onda de compras do grupo chinês nos últimos anos já chega aos biliões de dólares. De acordo com a Bloomberg, a expansão do conglomerado traduziu-se numa dívida de curto prazo de 28 mil milhões de dólares.

Já em julho a aquisição de uma participação de 416 milhões de dólares na Global Eagle Entertainment foi bloqueada pelo regulador norte-americano. Também nos Estados Unidos, o HNA falhou a aquisição de uma empresa tecnológica norte-americana por 325 milhões de dólares. Porquê? Quem estava a vender a empresa acusou o grupo de fornecer informação falsa e inconsistente sobre o seu dono.

O grupo tem negado esta acusação. Face as críticas dos reguladores neozelandeses, a empresa afirmou que a decisão foi, “em grande medida”, tomada com base em “títulos negativos da imprensa” e não pela informação prestada pelo HNA. No final de novembro, o grupo anunciou que vai reverter o plano de compra de ativos, depois de as autoridades de Pequim ter começado a investigar várias empresas chinesas, incluindo o HNA Group.

Os receios não se baseiam apenas na identidade dos donos, mas também com o elevado nível de dívida. A Bloomberg refere que a despesa com os juros da dívida já está acima dos lucros da empresa. Acresce que, com os recentes bloqueios, a expansão está em risco: os reguladores alemães, suíços e neozelandeses continuam a ter fortes dúvidas sobre quem realmente detém o HNA.

Em julho foi público que nenhum dos principais bancos norte-americanos — Citigroup, Morgan Stanley ou Bank of America — quer fazer negócios com o HNA. O problema passa pela falta de aprovação interna por parte dos comités que estão responsáveis por avalizar negócios com entidades. Um dos principais problemas identificado é a falta de informação sobre a origem do dinheiro do grupo.

O HNA Group detém uma posição indireta no capital da TAP, através de uma participação na Azul (companhia do brasileiro David Neelman que integra a consórcio Atlantic Gateway) e de uma participação de 5,6% na Atlantic Gateway. A dívida de longo prazo do HNA ascendia a 58 mil milhões de dólares, segundo a S&P Global Market Intelligence, com a dívida líquida a situar-se 6,5 vezes acima do EBITDA.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

À terceira não é de vez: chineses da TAP falham (de) novo negócio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião