Défice vai ser inferior a 1,3% em 2017, anuncia António Costa

António Costa anunciou em reunião do Governo em Belém, para desejar as Boas Festas, que o défice este ano vai ser de 1,3%, abaixo de 1,4% previsto na última revisão em baixa.

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou que o défice em 2017 vai ser inferior a 1,3%. Na reunião do Governo com o Presidente da República, o Chefe de Governo, ironizou que já podia anunciar, “sem criar arrepios ao ministro das Finanças”, uma meta de défice ainda mais baixa do que o previsto.

Vamos ter este ano, o ano de maior crescimento económico desde o princípio do século. O ano passado tivemos o menor défice da nossa democracia e vamos ter, este ano, já o posso anunciar, sem criar arrepios ao ministro das Finanças, um défice que será inferior a 1,3%”, disse António Costa, na cerimónia de boas festas ao Chefe de Estado.

O Governo começou o ano com uma previsão de défice de 1,5%, uma meta entretanto revista em baixa para 1,4%. Esta semana, na terça-feira, António Costa já tinha dado a entender que as finanças públicas estavam a correr melhor do que o esperado e disse acreditar que a meta ia ficar abaixo de 1,4%. Mas, o primeiro-ministro guardou o presente para as vésperas do Natal — um défice inferior a 1,3% este ano.

O primeiro-ministro reiterou ainda que “a dívida pública ainda é muito elevada, mas já abaixo das melhores expectativas” que tinham, em abril. A dívida “não superará os 126,2% do PIB e num contexto em que o emprego tem vindo a crescer com 240 mil postos de trabalho”, disse, repetindo o valor que já tinha dito na Assembleia da República e que corresponde ao número inscrito no Orçamento do Estado para 2018que chegou ontem a Belém — para este ano.

O povo português interiorizou a necessidade de uma estabilidade orçamental”, disse, por seu turno, Marcelo Rebelo de Sousa. Mas o povo português quer mais, sensatamente, também quer estabilidade social”, que se faz no “exercício dos direitos sociais”, acrescentou.

Sem nunca a mencionar, Marcelo deixou também um recado para a situação da Autoeuropa. “Os portugueses percebem que há empresas que, pelo seu poder e relevo da área em que atuam, pelo emprego que envolvem, e de outras empresas que com elas colaboram pelo prestígio internacional e pela imagem que deixam nos investidores estrangeiros, é importante que haja paz social e que se faça tudo para que haja paz social, que não se corram o risco de aventuras”. Marcelo alertou que isso poderia afetar “o clima que o povo português entende ser bom para Portugal”.

O Presidente da República deixou ainda uma garantia: o Executivo vai sempre beneficiar de uma boa relação como Presidente da República. “A solidariedade institucional correu bem assim como as relações entre o Presidente e o Governo”, disse Marcelo. E “só podia correr bem, porque decorre da minha leitura da Constituição”, acrescentou. “E vai correr bem até ao fim do meu mandato”, garantiu. O Chefe de Estado pareceu assim querer tranquilizar o Governo depois do duro discurso na sequência dos incêndios de outubro, que levou à queda da então ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Défice vai ser inferior a 1,3% em 2017, anuncia António Costa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião