Aumento das compras online pressiona empresas de entregas. Queixas disparam

  • ECO
  • 23 Dezembro 2017

As empresas de entregas reforçam as equipas, mas as queixas por atrasos e extravios estão a disparar. Em dois meses, já se registam mais de duas mil queixas, um aumento superior a 200%.

O comércio online está a disparar e a pressão sobre as empresas de entregas aumenta nesta altura do ano. Em 2017, segundo os cálculos da Associação da Economia Digital (ACEPI) citados pelo Público, os portugueses deverão gastar um total de 4,6 mil milhões de euros em compras online. As empresas de entregas reforçam as equipas, mas as queixas por atrasos e extravios estão a disparar.

A confirmar-se, as previsões da ACEPI representam um aumento de 9% em relação ao montante que os portugueses gastaram em compras online no ano passado e uma subida de 21% em relação aos números de 2015.

Esta evolução tem obrigado as empresas de entregas a um reforço da sua força de trabalho. A UPS, por exemplo, prevê entregar 30 milhões de encomendas em 17 dos 21 dias que antecedem o dia de Natal, número que compara com 19 milhões de embalagens processadas por dia, em média, nos restantes dias do ano. Já a Rangel, empresa que representa em Portugal a norte-americana FedEx, diz ao Público que registou um crescimento de 11% das encomendas expresso durante este ano. Considerando apenas o final do ano, o crescimento é de 17%.

Muitas vezes, contudo, o reforço das equipas não tem sido suficiente. Entre 1 de outubro e 14 de dezembro deste ano, as reclamações contra empresas de correio expresso aumentaram 212% em relação ao período homólogo, segundo os dados fornecidos pelo Portal da Queixa ao Público.

Ao todo, nestes dois meses, foram feitas 2.165 reclamações, maioritariamente contra os CTT (quase mil reclamações) e, sobretudo, por atrasos na entrega das encomendas, falta de apoio aos clientes, entregas falhadas, dificuldades de contacto ou encomendas danificadas. A GLS, Chronopost, Seur, MRW e DHL são as restantes empresas que também mereceram reclamações.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aumento das compras online pressiona empresas de entregas. Queixas disparam

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião