Montepio melhora previsão. Vê défice deste ano nos 1,2%

  • Lusa
  • 26 Dezembro 2017

O Montepio reviu em baixa o défice orçamental deste ano, de 1,4% para 1,2%. Já para o próximo ano, a instituição prevê que se fixe nos 1,1%.

O Montepio melhorou para 1,2% a estimativa do défice orçamental para o conjunto de 2017, considerando as novas previsões do Governo “bastante realistas”, e alinhou a projeção para o próximo ano com a do executivo (1,1%).

No relatório semanal de economia e mercados divulgado esta terça-feira, o departamento de estudos do Montepio afirma que reviu em baixa a previsão para o défice de 2017, de 1,4% para 1,2% do PIB, adiantando que “não coloca de parte a possibilidade de o défice poder ficar ainda abaixo deste valor”.

Os economistas do Montepio justificam esta revisão em baixa da previsão do défice orçamental não só com os dados, em contabilidade nacional, de um défice de 0,3% do PIB até ao terceiro trimestre, divulgado na semana passada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), bem como “pelas indicações positivas dadas pelos números da Direção-Geral de Orçamento (DGO) na ótica da contabilidade pública, já disponíveis até ao mês de outubro”.

Na quarta-feira, a DGO divulga a síntese de execução orçamental, em contabilidade pública (a ótica de caixa), até novembro. “Mas centrando-se essencialmente na informação sobre as administrações públicas, o respetivo défice registou, como referido, uma diminuição de 1,2 pontos percentuais no ano terminado no terceiro trimestre, relativamente ao trimestre anterior, atingindo 0,1% do PIB, representando o défice mais baixo desta série do INE (iniciada em 1999) e, de resto, de toda a história democrática de Portugal (o anterior saldo mais elevado observou-se, de acordo com séries anuais mais longas, em 1973, quando se observou um excedente de 1.7% do PIB)”, destacam os analistas.

O Montepio recorda também o valor do saldo orçamental do terceiro trimestre (entre julho e setembro), que se situou em cerca de 1.256,1 milhões de euros, correspondendo a 2,6% do PIB, “representando o maior saldo da atual série do INE, sendo que, quando comparado com o trimestre homólogo, representa uma melhoria de saldo de 4,7 pontos percentuais (-2,1% no 3.º trimestre de 2016)”.

“Tratam-se, assim, de indicações bastantes positivas para a evolução do défice orçamental no conjunto do ano 2017, vindo, de certa forma, ao encontro das declarações mais otimista do primeiro-ministro, que referiu, no dia 21 de dezembro, que o défice orçamental ficaria abaixo dos 1,3% do PIB“, afirmam os economistas.

Para os analistas, e atendendo aos dados agora divulgados pelo INE, esta é uma estimativa “bastante realista”. O Montepio reviu em baixa também a estimativa para o défice orçamental do próximo ano: de 1,2% para 1,1%, alinhando-a, assim, com a do executivo, que estima que, com as medidas para resposta, prevenção e combate aos incêndios, o défice deverá ser 1,1%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Montepio melhora previsão. Vê défice deste ano nos 1,2%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião