Portugal abre novo consulado em Cantão, na China

  • ECO
  • 27 Dezembro 2017

A expansão para a China é uma das prioridades da Aicep para os próximos anos, antecipando a abertura deste consulado como uma oportunidade. Cantão é uma das regiões mais ricas da China.

Portugal inaugurou um novo consulado em Cantão, a terceira cidade na China a ter uma representação portuguesa, segundo escreve a TSF. O embaixador de Portugal na China, Jorge Torres Pereira, afirmou à rádio que Cantão é uma das regiões mais ricas do país, com uma forte presença empresarial e tecnológica.

“Não só é uma das zonas mais ricas como, ainda por cima, é aqui, nesta província, que está Schenzhen, que é considerado o verdadeiro equivalente ao Silicon Valley em termos de empresas de alta tecnologia”, explicou Jorge Torres Pereira.

São boas notícias para a Aicep, que já esperava esta abertura. Em outubro, na apresentação do Plano Estratégico da agência, tornou-se claro que a China era uma prioridade e que a agência tencionava aproveitar o facto de Portugal estar a abrir um consulado em Cantão, alargando a atual presença em Pequim, Xangai e Macau. “Estamos a construir com base em algo que já foi feito. As alterações são cirúrgicas”, garantiu então Luís Castro Henriques, o presidente da Aicep.

O novo cônsul-geral desta nova representação, André Sobral Cordeiro, afirmou à TSF que há mais de 200 milhões de pessoas na área a que o consulado é dedicado, e reforçou a importância de reforçar a ligação “muito reduzida” entre as empresas desta região e as portuguesas.

O Governo português aprovou a criação do consulado em agosto de 2016, mas o Governo chinês foi mais demorado, o que fez com que a inauguração só se realizasse agora.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal abre novo consulado em Cantão, na China

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião