Chairman da Oi renuncia à administração da Pharol

José Mauro da Cunha, chairman da operadora brasileira Oi, renunciou ao cargo de administrador não executivo da Pharol. Decisão surge depois da cotada nacional se ter oposto ao plano de recuperação.

José Mauro da Cunha, presidente do conselho de administração da operadora Oi, renunciou ao cargo de administrador não executivo da empresa portuguesa Pharol PHR 0,34% . A informação foi revelada aos mercados pela antiga holding da Portugal Telecom num comunicado enviado à CMVM esta quinta-feira à noite. A Pharol detém cerca de 27% da Oi.

A saída de José Mauro da Cunha da Pharol surge pouco depois de os credores da empresa terem aprovado o novo plano de recuperação judicial proposto pela administração da Oi. A proposta ainda carece de aprovação da Justiça brasileira. No entanto, a Pharol já se mostrou contra o plano, lançando suspeitas quanto à legalidade de algumas medidas propostas.

A Oi, da qual a Pharol é a maior acionista, está ao abrigo de um processo de recuperação judicial no Brasil. É a maior operadora de telecomunicações do país, mas tem vindo a perder quota de mercado. Uma avultada dívida a milhares de credores ditou que fosse feito o pedido judicial para evitar a falência da empresa. Um dos credores é a Anatel, o regulador das comunicações brasileiro, que também já veio opor-se à proposta da administração.

Cotação das ações da Pharol na bolsa de Lisboa

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Chairman da Oi renuncia à administração da Pharol

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião