“Alguns de vocês sentem que a Apple vos deixou ficar mal. Pedimos desculpa”

A Apple pediu desculpa por abrandar o desempenho dos iPhones mais antigos como forma de prevenir encerramentos súbitos. "Alguns de vocês sentem que a Apple vos deixou ficar mal", reconheceu a marca.

A Apple pediu desculpa aos clientes por abrandar o desempenho de alguns modelos do iPhone mais antigos, uma prática que a empresa confirmou recentemente e vem agora reiterar e explicar com mais detalhe. Segundo a marca, esta terá sido uma forma de evitar que estes telemóveis se desliguem subitamente por integrarem baterias mais velhas e com menor capacidade de carga, um fator próprio da idade e do uso.

Foi há uma semana que a empresa sedeada em Cupertino confirmou estas informações, indo de certa forma ao encontro dos rumores de que a empresa cortava na performance dos modelos mais antigos. Agora, a marca vem explicar que não se trata de uma forma de impulsionar as vendas dos modelos mais recentes, mas sim o método encontrado para dar às gerações anteriores do iPhone as funcionalidades das últimas versões do iOS.

“Temos escutado o feedback dos nossos clientes sobre a forma como lidamos com o desempenho dos iPhones com baterias mais antigas e como comunicámos esse procedimento. Sabemos que alguns de vocês sentem que a Apple vos deixou ficar mal. Pedimos desculpa”, escreve a empresa. Uma rara posição da companhia liderada por Tim Cook, divulgada num comunicado publicado no final desta quinta-feira.

Sabemos que alguns de vocês sentem que a Apple vos deixou ficar mal. Pedimos desculpa.

Apple

Em comunicado

Para explicar o porquê de reduzir o desempenho dos iPhones mais velhos, a empresa indica: “Há cerca de um ano, no iOS 10.2.1, distribuímos uma atualização de software que melhora a gestão da energia durante picos de tarefas intensas para evitar encerramentos inesperados do iPhone 6, iPhone 6 Plus, iPhone 6S, iPhone 6S Plus e iPhone SE. Com a atualização, o iOS gere de forma dinâmica o desempenho máximo de alguns componentes do sistema quando necessita de prevenir um encerramento”, detalha a empresa. A solução? Substituir a bateria por uma nova.

Desta feita, a Apple pôs em marcha três medidas para deixar os fãs da marca mais satisfeitos. Entre elas, cortou de 79 para 29 dólares o preço do serviço de substituição da bateria dos iPhones já fora da garantia, que entrará em vigor em janeiro e ficará disponível em todo o mundo até dezembro de 2018. “Mais detalhes serão divulgados em breve”, acrescenta a companhia.

“No início de 2018, lançaremos uma atualização para o iOS com novas funcionalidades para dar aos utilizadores mais visibilidade acerca da saúde da bateria dos seus iPhones, de forma a poderem ver por si mesmos se a sua condição está a afetar o desempenho”, anuncia também a Apple. E conclui: “A nossa equipa está a trabalhar em formas de tornar a experiência do utilizador ainda melhor, incluindo melhorar a forma como gerimos o desempenho e evitar encerramentos inoportunos à medida que as baterias envelhecem.”

A forma como a Apple confirmou, há uma semana, o mecanismo de abrandamento do desempenho do iPhone foi contestada por muitos clientes da marca. Nos Estados Unidos, a empresa acabou por ser processada por dois clientes, que argumentam que a Apple deveria ter dado conhecimento desta prática mais cedo e pedido consentimento aos donos dos aparelhos. Na visão destes dois clientes, está poderá ser uma forma de forçar os clientes a comprarem os modelos mais recentes, acusações que a Apple nega no comunicado divulgado esta quinta-feira.

Comentários ({{ total }})

“Alguns de vocês sentem que a Apple vos deixou ficar mal. Pedimos desculpa”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião