ERSE: Fatura de luz para casal com filhos é mais barata na Endesa

  • Lusa
  • 29 Dezembro 2017

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos concluiu que a oferta mais barata é da Endesa, com um custo anual de 822 euros para um casal com dois filhos e um consumo anual de 5.000 kWh.

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) concluiu hoje que, entre julho e setembro deste ano, a oferta comercial de eletricidade mais barata era da Endesa, com um custo anual de 822 euros para um casal com dois filhos.

De acordo com o mais recente Boletim de Ofertas Comerciais do Mercado Retalhista de Eletricidade da ERSE, relativo ao terceiro trimestre deste ano, “a oferta comercial mono eletricidade com menor fatura anual é da Endesa, com um valor de 822 euros por ano” para um casal com dois filhos e com um consumo anual de 5.000 kWh.

Na publicação, o regulador, que vai começar a publicar este tipo de análises trimestralmente para informar os consumidores, acrescenta que “o diferencial desta oferta em relação à oferta comercial mono eletricidade mais cara é de menos 174 euros por ano (-17%)”.

"A oferta comercial mono eletricidade com menor fatura anual é da Endesa, com um valor de 822 euros por ano.”

Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos

No que toca à tarifa transitória simples, a poupança verificada é de 116 euros por ano, enquanto na tarifa bi-horária está em causa uma diferença de 78 euros por ano.

Conjugando a luz com o gás natural, a ERSE aponta que, mais uma vez, a Endesa é a empresa comercializadora mais barata, com valores que rondam também os 822 euros por ano, e que, face à opção mais cara, representam uma poupança anual de 116 euros (menos 12%). Também nesta opção se verificam vantagens face a outras empresas, com faturas inferiores em 116 euros por ano na tarifa transitória simples e em 76 euros na tarifa bi-horária.

Aludindo a outros tipos de consumidores, a ERSE refere que, tanto no caso de um casal sem filhos com um consumo anual de 1.900 kWh como de um casal com dois filhos que gasta 10.900 kWh por ano, a Endesa continua a apresentar os preços mais baratos.

No primeiro caso, do casal sem filhos, a fatura anual de eletricidade ou de eletricidade e gás é de 329 euros, menos 70 euros por ano (17%) ou menos 46 euros por ano (12%), respetivamente, do que a opção de mercado mais cara. Tanto na oferta comercial mono como na dual, a poupança é de 44 euros por ano na tarifa transitória simples e de 28 euros por ano na tarifa bi-horária, aponta o regulador.

Já no caso de um casal com dois filhos, a fatura anual de eletricidade ou de eletricidade e gás é de 1.765 euros, menos 308 euros por ano (15%) ou menos 261 euros por ano (13%), respetivamente, do que a oferta mais cara. Em ambos os casos, a tarifa transitória simples representa uma poupança 194 euros por ano (10%) face à opção mais cara, à semelhança da tarifa bi-horária, na qual é possível poupar 261 euros (13%).

A ERSE nota que o número de comercializadores e de ofertas comerciais tem vindo “a aumentar significativamente” desde a liberalização do setor elétrico, em 2006, existindo atualmente entre 125 a 129 ofertas, tendo em conta o perfil de consumidor.

Na quinta-feira, a ERSE alertou para a “má prática”, que confunde o consumidor, quando os comercializadores dizem que a eletricidade vai ser atualizada na sequência das novas tarifas de acesso às redes definidas pelo regulador.

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ERSE: Fatura de luz para casal com filhos é mais barata na Endesa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião