Benfica investigado. Clube nega compra de vitórias

  • Marta Santos Silva
  • 30 Dezembro 2017

"Esta notícia insere-se numa vasta campanha que foi montada de forma a levantar suspeitas, denegrir a imagem do Sport Lisboa e Benfica e o mérito das suas vitórias desportivas", defende o clube.

O Benfica rejeitou este sábado, num comunicado publicado no seu site, ter conhecimento de investigações ao clube pela Polícia Judiciária, como noticiara o Correio da Manhã esta sexta-feira, e rejeitou estar envolvido na situação em questão.

O Correio da Manhã e a CMTV tinham noticiado, na sexta-feira, que uma investigação ao clube que começou no Porto transitara para Lisboa. Em causa estariam alegados pagamentos feitos pelo Benfica a jogadores do Rio Ave para que perdessem uma partida contra o clube lisboeta, de há duas épocas. O Benfica venceu o jogo em questão por 1-0.

A descoberta deste caso teria sido feita no âmbito da investigação ao caso do Feirense-Rio Ave. A Polícia Judiciária, segundo o Correio da Manhã, terá descoberto indícios de que o Benfica teria também adulterado um jogo com o Rio Ave.

No comunicado divulgado este sábado, o Benfica diz desconhecer “totalmente a existência deste processo” e ainda “nega qualquer envolvimento do clube nesta situação”, acrescentando que “todos os responsáveis pela promoção e divulgação desta calúnia serão responsabilizados criminalmente”.

O comunicado em seis pontos classifica a notícia como estando inserida “numa vasta campanha que foi montada de forma a levantar suspeitas, denegrir a imagem do Sport Lisboa e Benfica e o mérito das suas vitórias desportivas”, e desmente a acusação feita sobre o jogo em questão. “Dos quatro jogadores invocados, um encontrava-se em Espanha, outro não foi convocado (estava castigado por acumulação de cartões amarelos) e os outros dois foram curiosamente apontados pela generalidade da crítica como dos melhores em campo por parte do Rio Ave”, lê-se no texto do comunicado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Benfica investigado. Clube nega compra de vitórias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião