O dia em que Mário Centeno saiu do lixo e foi eleito presidente do Eurogrupo

  • Margarida Peixoto
  • 30 Dezembro 2017

A eleição do ministro das Finanças português para liderar o Eurogrupo fechou com chave de ouro um ciclo tanto para Centeno, como para a própria Comissão Europeia.

4 de dezembro, 15h43, Bruxelas: Mário Centeno foi eleito presidente do Eurogrupo. O ministro das Finanças português não ganhou à primeira volta mas, à segunda, uniu os socialistas e conquistou o lugar de Mr. Euro. Fechou-se um ciclo para Centeno, para Portugal e para a Comissão Europeia: o ministro afirmou-se internacionalmente, o país recuperou autoridade perante os pares e a Comissão ganhou a tão procurada história de sucesso para contar.

À medida que a data da eleição se aproximava, os potenciais candidatos foram aparecendo. O francês Bruno Le Maire, o italiano Pier Carlo Padoan e o espanhol Luis de Guindos chegaram a ser falados pela imprensa internacional, mas acabaram por não avançar. Em Portugal, o nome de Mário Centeno como potencial candidato circulava desde abril, quando uma notícia do Expresso garantiu que o ministro português tinha sido sondado para substituir o ainda presidente Jeroan Dijsselbloam. A 4 de abril o primeiro-ministro António Costa assumiu que Centeno tinha sido sondado, mas faltavam ainda muitos meses de negociações para que o Executivo português assumisse oficialmente uma candidatura.

A 29 de novembro, o ministro das Finanças português ficou a conhecer a sua concorrência oficial: Peter Kazimir, o socialista da Eslováquia, Dana Reizniece-Ozola, da Letónia e Pierre Gramegna, o liberal do Luxemburgo. A candidata letã desistiu depois da primeira volta e a RTP avançou que Centeno conseguiu oito votos nessa primeira votação.

À segunda, os socialistas uniram-se e Centeno venceu.

Uma “história tremenda de sucesso” para contar

Em Portugal, a eleição de Centeno fechou a gestão política do dossier das Finanças com chave de ouro. O ano tinha começado conturbado para o ministro: a 13 de fevereiro Centeno chegou a colocar o lugar à disposição, por causa da guerra com o então presidente da Caixa Geral de Depósitos, António Domingues, sobre a entrega da declaração de rendimentos da equipa da administração do banco público, ao Tribunal Constitucional.

As dúvidas sobre o impacto da recapitalização da Caixa no défice orçamental — que, com o ano a terminar, ainda permanecem — obrigaram a esperar pelo verão para que a saída do Procedimento por Défice Excessivo se confirmasse. E, no entretanto, Portugal ia repetindo a discussão com a Comissão Europeia em torno das regras de avaliação do esforço de ajustamento estrutural, ao mesmo tempo que dava o tudo por tudo para vender o Novo Banco ao Lone Star e evitar o caminho da resolução.

Mas não foi só em Lisboa que o acontecimento foi marcante. A escolha foi carregada de simbolismo para a própria Europa. A 18 de julho, em Lisboa, o comissário económico para os Assuntos Financeiros, Pierre Moscovici assumiu: “Queremos fazer de Portugal uma história tremenda de sucesso.”

A declaração não foi propriamente uma novidade. A suavização do discurso face ao rumo da economia portuguesa e às escolhas do Executivo socialista apoiado pelos partidos à sua esquerda era cada vez mais evidente. Mas naquele dia ficou claro que a Comissão procurava um país saído de um programa de ajustamento, com um governo pró-europeu, para mostrar que as regras do Pacto de Estabilidade e Crescimento e que a política europeia funcionam.

É que a Europa teve um ano desafiado por eleições difíceis — em França, na Alemanha, e na Holanda temiam-se os populismos de direita — e por dúvidas quanto à força do projeto europeu — o Reino Unido acionou o Artigo 50.º para deixar a União e a Cimeira de Roma ficou marcado pela ideia de uma Europa a duas velocidades.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O dia em que Mário Centeno saiu do lixo e foi eleito presidente do Eurogrupo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião