Tensão na Catalunha ameaça 16% das exportações portuguesas para Espanha

  • Ana Batalha Oliveira
  • 3 Janeiro 2018

Catalunha foi a segunda comunidade espanhola que mais importou de Portugal. Fórum para a Competitividade alerta para a tensão política que ameaça não só Espanha, mas comércio com Portugal.

A viver momentos de instabilidade por causa da onda independentista que se ergueu sobretudo no final do ano passado, a Catalunha não representa apenas uma ameaça para a economia espanhola. Portugal que o diga. Os catalães são os segundos maiores importadores espanhóis de bens e serviços portugueses. “A tensão política que se vive em Espanha, para bem de todos, deveria desaparecer”, alerta a economista Inês Cruz, do Fórum para a Competitividade.

De acordo com a economista, a Catalunha foi, depois da Galiza, a comunidade espanhola que mais importou de Portugal em 2016, respondendo por quase 16% (cerca de 1.700 milhões de euros) do total das compras espanholas no mercado português. Dados que posicionam “Portugal como o 11º fornecedor da Catalunha”, sublinha Inês Cruz na nota de conjuntura de dezembro do Fórum para a Competitividade.

“Por outro lado, a Catalunha foi a comunidade que mais exportou para Portugal”, tendo respondido por 24% das exportações que vieram de Espanha. “Portugal era em 2016 o quarto principal cliente da Catalunha“, frisa a economista, lembrando que a região coloca-se como uma das 15 principais economias da União Europeia, “tendo mesmo ultrapassado em 14% o Produto Interno Bruto (PIB) português em 2016”.

"Compreende-se agora melhor a tensão política que se vive em Espanha e na Catalunha, tensão essa que, para bem de todos, deveria desaparecer. O problema é que não se vê bem como, pelo menos no curto prazo.”

Inês Cruz

Fórum para a Competitividade

“Compreende-se agora melhor a tensão política que se vive em Espanha e na Catalunha, tensão essa que, para bem de todos, deveria desaparecer. O problema é que não se vê bem como, pelo menos no curto prazo“, reforça Inês Cruz.

Só em 2016, a Catalunha gerou 212.000 milhões de euros e afirmou-se como a região que mais contribuiu para o crescimento da economia espanhola — foi responsável por 19% do PIB do país.

Nas últimas eleições na Catalunha, os partidos independentistas obtiveram 70 dos 135 lugares do parlamento, um número que sobe para 78 lugares se forem contabilizados os defensores de um novo referendo legal (partidos independentistas mais CatComú-Podem). No entanto, o partido vencedor das eleições foi o Cidadãos.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tensão na Catalunha ameaça 16% das exportações portuguesas para Espanha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião