Nos Globos, venceu um filme. Mas Oprah levantou a plateia

  • Lusa e ECO
  • 8 Janeiro 2018

“Three Billboards Outside Ebbing, Missouri” foi o filme que conseguiu arrecadar o maior número de Globos de Ouro. Oprah Winfrey recebeu só uma distinção, mas marcou a noite com o seu discurso.

O filme “Three Billboards Outside Ebbing, Missouri” triunfou na 75.ª edição dos Globos de Ouro, ao conquistar quatro galardões, roubando o brilho a “The Shape of Water”, favorito para os prémios de cinema e televisão. Mas a estrela da noite foi Oprah que, quando recebeu o prémio Carreira Cecil B. DeMille, mereceu um aplauso de pé pelo seu discurso.

Oprah Winfrey, uma das mulheres mais influentes do mundo, pôs de pé o auditório dos Globos de Ouro, com um discurso contra “os homens poderosos e brutais” que dominaram o mundo, afirmando que “o seu tempo chegou ao fim”.

Foi com um grande aplauso que foram recebidas as palavras da apresentadora de televisão e atriz norte-americana, a quem foi atribuído o Globo de Ouro Cecil B. DeMille, por ser “um exemplo a seguir para mulheres e jovens”, além de “uma das mulheres mais influentes” da atualidade, segundo a Associação da Imprensa Estrangeira de Hollywood (HFPA, na sigla em inglês).

Já o filme vencedor foi “Three Billboards Outside Ebbing, Missouri”, de Martin McDonagh, que se impôs em quatro das seis categorias para os quais estava nomeado: melhor drama, melhor atriz (Frances McDormand), melhor ator secundário (Sam Rockwell) e melhor argumento (Martin McDonagh). A película “The Shape of Water”, que somava sete nomeações para os Globos de Ouro, não foi, no entanto, além de dois prémios: o de melhor realizador (Guillermo del Toro) e o de melhor banda sonora (Alexandre Desplat).

O restante ouro distribuído

Já o britânico Gary Oldman confirmou os prognósticos, conquistando o prémio de melhor ator de drama pelo papel em “Darkest Hour”, enquanto James Franco foi distinguido como o melhor ator de comédia por “Um desastre de artista”.

Saoirse Ronan triunfou como melhor atriz de comédia por “Lady Bird”, filme realizado por Greta Gerwig que também venceu o prémio de melhor comédia/musical, ao passo que Allison Janney foi distinguida como melhor atriz secundária pela sua interpretação em “I, Tonya”.

O prémio de melhor canção foi para “This Is Me”, de “O grande showman”, escrita por Benj Pasek e Justin Paul, a dupla que deixou a sua marca no ano passado com “La La Land”. O galardão de melhor filme de animação foi para “Coco”, da Pixar, enquanto “In The Fade” (Alemanha e França), de Fatih Akin, arrecadou o de melhor filme estrangeiro.

Os Globos de Ouro, prémios do cinema e da televisão atribuídos pela Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood, são vistos habitualmente como uma antecâmara dos Óscares, cujas nomeações vão ser anunciadas no próximo dia 23, estando a cerimónia de entrega marcada para 4 de março.

E o Globo vai para…

Segue-se a lista dos vencedores da 75.ª edição dos Globos de Ouro, entregues na noite de domingo no hotel Beverly Hilton, em Los Angeles:

Cinema

Melhor drama: “Three Billboards Outside Ebbing, Missouri”

Melhor comédia/musical: “Lady Bird”

Melhor ator de drama: Gary Oldman (“Darkest Hour”)

Melhor atriz de drama: Frances McDormand (“Three Billboards Outside Ebbing, Missouri”)

Melhor ator de comédia/musical: James Franco (“Um desastre de artista”)

Melhor atriz de comédia/musical: Saoirse Roan (“Lady Bird”)

Melhor ator secundário: Sam Rockwell (“Three Billboards Outside Ebbing, Missouri”)

Melhor atriz secundária: Allison Janney (“I, Tonya”)

Melhor realizador: Guillermo del Toro (“The Shape of Water”)

Melhor argumento: Martin McDonagh (“Three Billboards Outside Ebbing, Missouri”)

Melhor banda Sonora original: Alexandre Desplat (“The Shape of Water”)

Melhor canção original: “This is Me”, de Benj Pasek e Justin Paul (“O grande showman”)

Melhor filme de animação: “Coco”, de Lee Unkrich e Adrian Molina.

Melhor filme estrangeiro: “In The Fade”, de Fatih Akin (Alemanha/França)

Televisão:

Melhor série dramática: “The Handmaid’s Tale”

Melhor série de comédia/musical: “The Marvelous Mrs. Maisel”

Melhor minissérie: “Big Little Lies”

Melhor ator de série dramática: Sterling K. Brown (“This is Us”)

Melhor atriz de série dramática: Elisabeth Moss (“The Handmaid’s Tale”)

Melhor atriz de comédia/musical: Rachel Brosnahan (“The Marvelous Mrs. Maisel”)

Melhor ator de comédia/musical: Aziz Ansari (“Master of None”)

Melhor atriz de minissérie: Nicole Kidman (“Big Little Lies”)

Melhor ator de minissérie: Ewan McGregor (“Fargo”)

Melhor ator secundário de série televisiva: Alexander Skarsgård (“Big Little Lies”)

Melhor atriz secundária de série televisiva: Laura Dern (“Big Little Lies”)

Prémio Carreira Cecil B. DeMille: Oprah Winfrey

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Nos Globos, venceu um filme. Mas Oprah levantou a plateia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião