Fernando Pinto: “A empresa foi salva no dia da privatização”

O presidente executivo da TAP, que está de saída, diz que os dois anos posteriores à privatização "são um fenómeno". No curto prazo, a grande preocupação é a falta de espaço para crescer na Portela.

A TAP estava “no fio da navalha” quando foi privatizada, em 2015, durante o Governo de Pedro Passos Coelho. Em entrevista à TVI, depois de ter anunciado que vai deixar a presidência executiva da companhia aérea, Fernando Pinto garante que “a empresa foi salva no dia da privatização” e que a injeção de 250 milhões de euros feita pelos privados no capital da TAP foi o motivo pelo qual a empresa “disparou” nos últimos dois anos.

“No ano da privatização, não tínhamos acesso a capital junto dos bancos. Os sindicatos queriam garantir uma série de benefícios antes da privatização, mas o momento era o errado. Tivemos de mostrar a situação aos trabalhadores”, lembrou Fernando Pinto. “A sobrevivência da TAP estava em risco, a privatização chegou na hora exata. A empresa foi salva no dia da privatização, não tenho dúvida nenhuma disso”.

No ano da privatização, não tínhamos acesso a capital junto dos bancos. Os sindicatos queriam garantir uma série de benefícios antes da privatização, mas o momento era o errado. Tivemos de mostrar a situação aos trabalhadores.

Fernando Pinto

Presidente executivo da TAP

A partir daí, Fernando Pinto considera que o processo tem sido um sucesso. “Os dois últimos anos são um fenómeno em termos de empresa, 2017 será o recorde absoluto de resultados do grupo TAP“.

Quanto ao futuro, o ainda presidente executivo da TAP vê na construção de um novo aeroporto o grande desafio para o crescimento da companhia aérea. “Estamos bem limitados no crescimento da operação no aeroporto. Podemos dar mais um salto no ano que vem. Será que o aeroporto aguenta? Já está no limite”, afirmou.

O engenheiro reconhece que a solução encontrada no Montijo é a única saída, mas mostra preocupação para com esta “saída de curto prazo”, que, para além disso, só estará operacional em 2021. “A saída que está prevista, tecnicamente, é viável. A preocupação é o tempo”.

“VEM, na época, fazia todo o sentido”

Fernando Pinto foi ainda questionado quanto à compra da VEM (Varig Engenharia e Manutenção), a divisão de engenharia e manutenção da companhia aérea brasileira Varig, já falida. A operação ficou fechada em fevereiro de 2006 e foi sempre criticada. Nessa altura, a TAP pagou 24 milhões de euros para ficar com a VEM, assumindo um passivo, na altura, em 100 milhões de euros.

Ainda hoje, a divisão de engenharia continua a dar prejuízo e a pesar nas contas do grupo TAP, que regista prejuízos desde 2008.

Mas Fernando Pinto continua a defender a operação. “A Manutenção e Engenharia Brasil, na época, fazia todo o sentido. Tivemos várias consultoras a avaliar e a dizer que era um excelente negócio, que valia a pena fazer. Analisámos com advogados todas as liabilities“.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Fernando Pinto: “A empresa foi salva no dia da privatização”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião