Fernando Pinto escreve carta e diz que vai continuar como assessor da TAP nos próximos dois anos

De saída da presidência da TAP, Fernando Pinto adiantou em carta dirigida aos trabalhadores que vai continuar ligado à transportadora aérea como assessor nos próximos dois anos.

Fernando Pinto abandona funções como presidente executivo da TAP no final do mês. Mas vai continuar como assessor.Tiago Petinga / Lusa

“O nosso caminho é crescer. E irei acompanhar esse crescimento de perto, uma vez que continuarei ligado à companhia nos próximos dois anos enquanto assessor da TAP. Não é assim, nem jamais será, um adeus”. Em carta aos trabalhadores a que o ECO teve acesso, Fernando Pinto informou que está de saída da liderança da transportadora aérea portuguesa. Mas não é um adeus definitivo já que vai continuar como assessor da empresa nos próximos dois anos.

Numa longa missiva de despedida enquanto CEO da TAP, que acontecerá a 31 de janeiro, Fernando Pinto faz um balanço do que foram os últimos 17 anos da sua vida à frente da operadora aérea nacional. Esse balanço é “muito positivo” ainda que 15 anos desses 17 anos tenham sido “de sobrevivência” para a empresa, sublinha. De “sobrevivência à falta absoluta de capital, às imensas flutuações cambiais, à reestruturação da frota e por fim à chegada das low cost. Lembro-me de momentos de grandes desafios mas, acima de tudo, momentos de superação, em que foi possível, com a ajuda de todos, acreditar que a empresa tinha futuro”, conta o responsável brasileiro.

Por isso, diz que todos se devem “sentir felizes ao ver aquilo em que a TAP se transformou: numa empresa notável que em 17 anos triplicou o seu tamanho: três vezes mais receitas, três vezes mais passageiros, três vezes mais rotas e três vezes mais aviões”. “Hoje a companhia está presente em 85 destinos, em 35 países. Reconhecida com múltiplos prémios”, regozija-se.

É com grande orgulho que comunico que em breve estarei a afastar-me da direção executiva da nossa Empresa. Estes 17 anos na TAP foram a experiência mais enriquecedora da minha carreira. Não teria conseguido fazê-lo sem cada um de vós, de todos, os que já cá estavam quando cheguei e de todos os que foram entrando e que vi crescer profissionalmente com o passar dos anos, tal como a companhia.

Fernando Pinto

CEO cessante da TAP

Lembra que aterrou em Lisboa no início do milénio com a “missão de privatizar a empresa”, “um processo difícil, feito de muitos obstáculos e dificuldades”. Hoje em dia cerca de metade do capital da TAP pertence a investidores privados (consórcio Atlantic Gateway, de David Neeleman e Henrique Pedrosa) e o sentimento de Fernando Pinto é de “absoluta realização profissional e pessoal. De missão cumprida.”

Deixou a empresa no bom caminho e diz que cabe agora aos acionistas iniciarem um novo ciclo com a eleição do seu sucessor para o lugar de presidente executivo da TAP, o que deverá acontecer na próxima assembleia geral, a realizar no dia 31 de janeiro.

Sobre o seu sucessor, Antonoaldo Neves, as palavras não podia ser mais positivas. Considera que é a “pessoa certa” e que”Não podia estar mais contente e entusiasmado com a escolha para assumir os destinos da TAP. (…) É um profissional com grande know how no setor”, frisa Fernando Pinto. “Estou absolutamente seguro de que com a liderança de Antonoaldo, a TAP continuará neste incrível processo de crescimento”, diz ainda.

Estou absolutamente seguro de que com a liderança de Antonoaldo, a TAP continuará neste incrível processo de crescimento.

Fernando Pinto

CEO cessante da TAP

Despede-se dos trabalhadores com carinho e orgulho. Diz que são os melhores profissionais com quem teve o gosto de trabalhar e que também eles devem orgulhar-se do “contributo que deram para o crescimento do nosso país”.

(Notícia atualizada às 12h24)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fernando Pinto escreve carta e diz que vai continuar como assessor da TAP nos próximos dois anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião