Acha que tem um bom salário? Compare-o com o de uma estrela do desporto

  • Juliana Nogueira Santos
  • 15 Janeiro 2018

Este comparador permite perceber as diferenças entre o seu salário e o de um desportista famoso, quer seja Messi ou Federer. Mas antes um aviso, os resultados podem ser desanimadores.

Com certeza que já se viu, em alguma altura da sua vida, a comparar os seus rendimentos com os de qualquer um jogador de futebol. Quando as transferências milionárias acontecem é quase impossível não pensar — ou mesmo desabafar — ‘nem se vivesse até aos 100 anos conseguia ganhar isto’. A Free Super Tips, uma casa de apostas britânica, decidiu quantificar este ‘se’ e os resultados não são muito animadores.

Através do simulador Sports Superstars Salary Calculator, é possível comparar os seus rendimentos anuais com os de estrelas de vários desportos, desde Lionel Messi a Roger Federer. É uma lista de seis desportos, onde se inclui o futebolista e o tenista, mas também o jogador de futebol americano Derek Carr, o basquetebolista LeBron James, o golfista Rory McIlroy e o boxeur Anthony Joshua.

O ECO fez uma simulação com um trabalhador que receba o salário mínimo nacional, atualizado neste ano de 2018 para os 580 euros. À taxa de câmbio atual, este salário corresponde a 515,62 libras, o que resulta num rendimento anual de 7.218,68 libras. A primeira (grande) comparação é logo com este valor. No mesmo período, Lionel Messi recebe, com patrocínios, 81.987.828 libras, enquanto Roger Federer aufere 47.767.660 libras.

Assim, Messi demora 46 minutos e 17 segundos a ganhar o salário anual deste trabalhador, sendo que, numa semana, o jogador de futebol argentino ganha 218 vezes o mesmo valor. No caso de Roger Federer, o tenista demora uma hora, 19 minutos e 26 segundos a ganhar as 7.218,68 libras, ganhando o mesmo valor 127 vezes numa semana.

Além do tempo que demora a acumular as receitas, as diferenças tornam-se ainda mais escabrosas quando passamos para o poder de comprar. Enquanto este trabalhador hipotético demorará 32 anos a comprar uma casa com uma avaliação média, Messi consegue comprar 353 casas por ano e Federer acumula capital para 205.

Se quisesse remodelar e renovar a decoração do Palácio de Buckingham, o trabalhador hipotético teria de trabalhar 51.255 anos para conseguir os 370 milhões de libras necessários. Federer conseguia pagar com o trabalho de sete anos, enquanto a Messi bastavam quatro anos.

Tal como alertámos no início, não são dados muito animadores. O aviso também já está a ser deixado por muitos nas redes sociais. Um utilizador do Twitter aconselha “se está com a autoestima em alta não deve, definitivamente, visitar” este site.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Acha que tem um bom salário? Compare-o com o de uma estrela do desporto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião