Ana Luís de Sousa e Catarina Pinto Correia novas sócias VdA

Ana Luís de Sousa e Catarina Pinto Correia integram a partir de janeiro de 2018 o colégio de sócios da VdA. Advogadas nas áreas de Infraestruturas, Energia & Recursos Naturais e Direito Público.

Ana Luís de Sousa e Catarina Pinto Correia integram a partir de janeiro de 2018 o colégio de sócios da VdA.

Advogadas nas áreas de Infraestruturas, Energia & Recursos Naturais e Direito Público respetivamente, estas nomeações têm como objetivo prosseguir uma estratégia de reforço das valências da firma em áreas core e desenvolver novas competências em setores chave da atividade económica que representem uma mais-valia para os nossos clientes.

Ana Luís de Sousa, advogada da área de projetos, tem reconhecida experiência no desenvolvimento e financiamento de projetos em diversos setores. Ao longo de mais de 15 anos esteve envolvida em vários projetos rodoviários, Parcerias Público-Privadas no setor da saúde, concessões de águas e resíduos e em projetos no setor da energia, em Portugal e em outras jurisdições onde a VdA Legal Partners está presente. Tendo assumido nos últimos anos uma especial dedicação ao setor da energia e à sua regulação, Ana Luís de Sousa vem assim reforçar a aposta da VdA no setor da energia e na regulação económica.

Catarina Pinto Correia integra a área de prática de direito público, estando especialmente dedicada às matérias de contratação pública, contencioso pré-contratual, concessões administrativas, PPP’s e regulação pública. É ainda responsável pela assessoria em matéria de financiamentos europeus e fundos estruturais e lidera o grupo de trabalho recentemente criado dedicado ao setor do Agronegócio. Exerce a sua atividade com foco não apenas em Portugal, mas nas demais jurisdições da VdA Legal Partners, incluindo África lusófona e francófona.

Para João Vieira de Almeida, managing partner, “a nomeação a sócias destas duas advogadas é reflexo de uma nova era na advocacia empresarial, que se caracteriza pela diversidade, inclusão e focalizada no valor a acrescentar aos clientes, à organização e ao setor. As funções das novas sócias permitem-nos com segurança e eficiência continuar a responder às exigências dos clientes VdA, tanto em novos setores e atividades, como através da VdA Legal Partners, onde continuamos a alargar a nossa presença em jurisdições africanas”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ana Luís de Sousa e Catarina Pinto Correia novas sócias VdA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião