Conselho de Estado discute os próximos fundos europeus esta sexta-feira

  • Lusa e ECO
  • 15 Janeiro 2018

Marcelo Rebelo de Sousa vai encontrar-se com os seus conselheiros de Estado para falar sobre o próximo quadro comunitário de apoio, o Portugal 2030.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, convocou para sexta-feira, 19 de janeiro, uma reunião do Conselho de Estado, com o tema Portugal pós-2020 na agenda, disse à Lusa fonte oficial esta segunda-feira. Este é um dos temas no qual o executivo do PS pretende negociar um consenso com o PSD.

A mesma fonte oficial da Presidência da República adiantou que esta reunião sobre o quadro financeiro que se seguirá ao Portugal 2020 está marcada para as 15h, no Palácio de Belém, em Lisboa. Já existe um site dedicado ao Portugal 2030 onde é possível submeter contributos.

O Governo já exprimiu a sua vontade de chegar a consensos com a oposição nesta área. Em novembro, o ministro do Planeamento e das Infraestruturas deixou claro que não quer que os grandes investimentos sejam “rasgados” nas próximas legislaturas. “A nossa perspetiva é que os grandes investimentos venham a ser aprovados por uma maioria de dois terços precisamente para que não sejam rasgados numa nova legislatura”, disse Pedro Marques, em declarações ao Dinheiro Vivo.

No primeiro semestre de 2018 é muito importante que o país alinhe o mais possível as suas prioridades estratégicas, porque as negociações já sustentadas em propostas mais concretas da Comissão Europeia sobre o próximo quadro financeiro plurianual devem ser apresentadas no final do primeiro semestre de 2018”, acrescentou o responsável pela pasta dos fundos comunitários, assinalando na altura que o tema teria de ser debatido em breve. Pedro Marques argumentava que os investimentos têm de ser “para a década e não apostas circunstanciais deste ou daquele Governo”.

Já em setembro do ano passado o Governo tinha dedicado um Conselho de Ministros ao Portugal 2030. Desse encontro resultou um documento que, segundo Pedro Marques, “é de abertura de debate (…) é um documento base, com que o Governo abre e não fecha a reflexão”. António Costa também tinha ido na mesma linha ao referir que o Portugal pós-2020 pede a “maior legitimação política possível”. Ou seja, com uma maioria de dois terços no Parlamento. Já este ano o ministro do Planeamento e das Infraestruturas apontou que os fundos comunitários para 2030 têm de servir para mudar as políticas da floresta no sul da Europa.

Esta será a primeira reunião do Conselho de Estado em 2018 e é a oitava convocada por Marcelo Rebelo de Sousa, que imprimiu um ritmo trimestral às reuniões do seu órgão político de consulta, desde que tomou posse, em março de 2016.

(Notícia atualizada)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Conselho de Estado discute os próximos fundos europeus esta sexta-feira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião